A História dos Grandes Prêmios – Bélgica 1950

A quinta etapa do campeonato mundial de Fórmula 1 de 1950 foi o GP da Bélgica. A prova foi vencida por Juan Manuel Fangio, o que configurou sua segunda vitória na F1. Essa foi a primeira vez da lendária pista de Spa-Francorchamps no calendário da categoria. No entanto, era um traçado muito diferente do de hoje. O circuito era mais longo: uma volta era de 14,120 Km, e a corrida teve 35 voltas. Para se ter uma ideia, os tempos ficavam na casa dos quatro/cinco minutos. Hoje, mesmo sendo uma das pistas mais longas da F1, esse tempo não chega a dois minutos. É claro, várias mudanças foram feitas tanto nos carros como na pista, mas a comparação é curiosa.

O GP da Bélgica de 1950 aconteceu no dia 18 de junho, apenas duas semanas depois do GP da Súiça. O vencedor em solo belga, Fangio, vinha de um abandono na etapa anterior. Já sua equipe, a Alfa Romeo, estava em uma situação muito confortável no campeonato. A Ferrari, na tentativa de ameaçar esse domínio, trouxe um novo carro para a pista de Spa.O modelo era o 275F1, equipado com motor V12, para ser pilotado por Alberto Ascari. O companheiro dele, Villoresi, continuou guiando o 125F1.

Além disso, o terceiro piloto da scuderia, Raymond Sommer, deixou a equipe e correu em um Talbot Lago privado na Bélgica. E era justamente a Talbot Lago a equipe com mais participantes no grid naquele dia. Dos 14 carros, apenas dois não eram das três equipes já citadas. Eram o suíço Toni Branca, pela Maserati, e o britânico Geoff Crossbrigde, pela Alta. Dado o contexto, vamos à ação na pista.

Pôster oficial do GP da Bélgica de 1950. (Fonte: statsf1.com)

Uma qualificação apertada

A disputa pela pole dessa corrida não poderia ter sido mais acirrada. Nino Farina e Juan Manuel Fangio fizeram o mesmo tempo, de 4:37 minutos. Contudo, foi decidido que Farina ficaria com a posição de honra, já que o segundo melhor tempo dele era melhor que o do argentino. Em terceiro, estava Luigi Fagioli, o que completou novamente a primeira fila com três Alfa Romeo. Ascari sofreu com alguns problemas com seu novo carro e conseguiu apenas o 6º tempo. À frente dele, vejam só, estavam Villoresi, em quarto, e Sommers, em quinto. O sétimo tempo foi de Philippe Etancelin, da Talbot.

Uma ameaça corajosa ao domínio dos Alfas?

Na primeira volta na Bélgica  a liderança já era de Fangio. Enquanto isso, Villoresi consegue passar por Fagioli e assume a terceira colocação. Já na segunda volta Ascari tem que levar sua Ferrari aos boxes, para trocar uma roda. Ele retorna para a pista em décimo e no final da terceira volta é oitavo. Nesse meio tempo, Fagioli retoma a posição de Villoresi. A esse ponto, já havia ocorrido o primeiro abandono, de Yves Giraud-Cabantous, na segunda volta. Ele teve problemas com a pressão do óleo.

Fangio manteve a liderança até a sétima volta, quando Farina consegue retomar a ponta. A seguir, a Alfa Romeo faz uma rodada de pit stops. Fangio parou na 11ª, Farina na 12ª e Fagioli na 13ª. Com isso, quem assume a liderança é Sommer, até então o quarto colocado. Ele segurou a posição por cinco voltas, na primeira vez que a Talbot Lago liderava no ano. Na volta 18 Sommer não consegue resistir ao ataque de Fangio e Farina e cai para terceiro. Porém, ele tinha um ritmo bom, melhor do que Fagioli, que vinha em quarto. A Talbot estava empregando a estratégia de apenas uma parada, já que tinha um tanque maior. A Alfa Romeo, por sua vez, teria que parar mais uma vez. Contudo, na volta de número 20 o carro não aguentou e Sommer teve que abandonar.

O domínio deixa escapar um pódio

Durante a liderança de Sommer, na volta 15, Etacelin abandona a prova. Já na volta 16 Ascari teve que parar novamente, para reabastecer e trocar duas rodas. Além disso, na volta 17 Farina estabeleceu a melhor volta: 4:34.1 min. A partir desse ponto a corrida foi tomada pela dominância da Alfa Romeo na liderança. A equipe chegou a fazer mais uma rodade de pit stops, da volta 23 a 25, mas as posições dos líderes não se alteraram. O último abandono da corrida foi de autoria de Eugene Chaboud, na 22ª volta.

Na parte final da corrida, Farina perdeu seu lugar marcado no pódio para Loius Rosier, da Talbot, que havia largado em oitavo. Isso porque na penúltima volta em Spa Francorchamps Fagioli passou por Farina, que tem que ir para os boxes, com problemas na caixa de câmbio. Na última volta Rosier também consegue passar pelo italiano e garante um terceiro lugar para a Talbot Lago. Com esse resultado, Farina continuou na liderança do campeonato, com 22 pontos. Fagioli era o segundo com 18 pontos e Fangio o terceiro com 17.

Fangio e Farina conversam depois da corrida na Bélgica. (Fonte: skysports.com)

A seguir, o link do nosso canal do YouTube, com gravações históricas dessa corrida.

Resultado final do GP da Bélgica de 1950

Arte do site gpexpert.com

Patrocinador:

Deixe uma Resposta