A História dos Grandes Prêmios – Bélgica 1951

Patrocinador:

 

O GP da Bélgica de 1951 foi a terceira etapa do campeonato mundial de F-1 de 1951. No dia 17 de junho daquele ano, a Alfa Romeo e a Ferrari alinharam no circuito de Spa-Francorchamps para mais uma batalha na disputa pelo título. Na verdade, o grid de largada ficou muito mais enxuto do que na primeira prova do ano, na Suíça. Com apenas 13 pilotos. A Alfa veio com três: Fangio, Farina e Sanesi. A Ferrari também com três: Ascari, Villoresi e Taruffi. E por fim, a Talbot Lago, com o restante dos monospostos; dentre seus pilotos estavam Chiron, Etancelin e Rosier.

Pôster Oficial do GP da Bélgica de 1951. (Fonte: StatsF1.com)

Correndo atrás do domínio

A Ferrari estava buscando diminuir um pouco a vantagem da Alfa Romeo, o que não é nada fácil. A aposta dos italianos de Maranello para essa corrida era o retorno de Ascari. Ele havia sofrido uma lesão em um evento da Fórmula 2, o que impediu sua participação na corrida anterior. Contudo, a dominância de ritmo continuou sendo da equipe rival: Fangio fez a pole, com um tempo de 4min 25s. Ao lado dele, outra Alfa, a de Farina. Mesmo assim, a Ferrari conseguiu superar a terceira Alfa e colocou seus três pilotos na P3, P4 e P5. Da P6 largou Sanesi. O mais rápido dos Talbot Lago foi Rosier, na P7. Esse é o antepassado do hoje chamado “melhor do resto”.

Uma boa briga na primeira metade

Com a bandeirada, a Ferrari tinha o que comemorar: Villoresi assumiu a ponta. Ele chega a colocar dois segundos em cima de Farina, mas a liderança durou pouco. Na terceira volta Farina retomou a posição e passa a liderar Villoresi e Ascari. Na quarta, Ascari passa o companheiro e assume a P2.  Enquanto isso, já tivemos o primeiro abandono, de autoria de Louis Chiron. O francês foi acometido por problemas na ignição. Na sexta volta Fangio consegue a posição de Ascari e fica atrás somente de seu companheiro Farina.

A Ferrari enfrentou dois problemas na volta 9. Primeiro, um vazamento de óleo no carro de Villoresi o obriga a parar nos boxes e voltar na quinto lugar. Depois, Taruffi abandona. No giro número 10 Fangio faz a melhor volta da corrida, de 4min 22s. Na 14ª volta, começam as paradas na frente. Farina para para trocar as rodas traseiras e reabastecer. Na volta seguinte foi a vez de Fangio. Porém, os mecânicos não estavam conseguindo trocar a roda traseira esquerda. Logo (e olhem que interessante a evolução do esporte), tiveram que trocar o pneu. Isso demorou 14 minutos. Com isso, o argentino volta na 10ª posição. Durante a mesma 15ª volta, Ascari também parou.

O resto foi com tranquilidade para a Alfa

Volta 18 e a vitória de Farina começa a ser uma boa aposta. O campeão de 50 estava bem a frente do segundo colocado, Villoresi. O italiano da Ferrari parou duas vezes mais, na 19 e na 21. Assim, Ascari assume a perseguição a Farina. Na 23, a vantagem da Alfa é de 3 minutos. Não havia muito para Ascari fazer. E assim, Farina vence tranquilamente em Spa. Ascari e Villoresi completaram o pódio.

Com esse resultado, Farina assumiu a liderança do campeonato com 12 pontos. Fangio terminou em nono lugar apenas, mas conseguiu seu pontinho com a volta mais rápida. Ele fica em segundo com 10 pontos. Desconsiderando o vencedor de Indianapolis, Lee Wallard, o terceiro era Ascari, com 6 pontos.

Resultado final do GP da Bélgica de 1951

Arte do site oficial da F1: formula1.com

Patrocinador:

Deixe uma Resposta