A História dos Grandes Prêmios – Espanha 1951

Patrocinador:

Rivalo Apostas Esportivas

Chegamos ao final da temporada de 1951, documentada nessa série histórica. Por isso, hoje falamos da corrida que fechou a temporada daquele ano, o GP da Espanha, no dia 28 de outubro. Foi a primeira participação da Espanha do calendário, recebendo a F-1 no circuito rua de Pedralbes, em Barcelona.  Um grande público se reuniu por lá para presenciar a decisão do título mundial entre Juan Manuel Fangio e Alberto Ascari.

Pôster do GP da Espanha de 1951. (Fonte: STATS F1)

Com dois pontos de vantagem sobre Ascari, novamente Fangio chegava à última etapa do ano com chances de ser campeão. Mas as chances do piloto da Ferrari também eram boas. Enquanto que para o argentino bastava chegar na frente do rival, o italiano precisava superá-lo, subir no pódio, e fazer a volta mais rápida. Com a evolução da Scuderia nas últimas três corridas do ano, não era nada impossível.

Os escudeiros dos dois competidores pelo caneco não haviam mudado. Farina, Bonetto e De Graffenried do lado da Alfa Romeo; Gonzalez, Villoresi e Taruffi do lado da Ferrari. O restante do pelotão foi formado por três Simca-Gordini (Robert Manzon entre eles); seis Talbot Lago (Louis Chiron, Philippe Etancelin e companhia) e três Maseratis (com Prince Bira ao volante de um deles).

Na classificação deu Ascari. Ele fez um tempo de 2min10s59, a sua segunda pole. Dois segundos mais lento classificou Fangio. Mais lentos que os dois vinham: Gonzalez, Farina, Villoresi, De Graffenried, Taruffi e Bonetto.

O primeiro do penta

A largada não foi generosa com Fangio: Ascari pulou na frente e Gonzalez roubou a segunda colocação e Farina a terceira. Agora em quarto, o argentino não demorou para imprimir ritmo na sua Alfa Romeo. Na segunda volta Gonzalez roda e abre caminho para ele, que já passa Farina na terceira e Ascari na quarta. Inclusive, na terceira volta Fangio marcou a melhor volta da corrida, com uma marca de 2min16s93. Como esse tempo não foi superado até o restante da prova, seu ponto extra estava garantido.

Mas a Ferrari tinha um plano ousado: ver a bandeira quadriculada sem parar nos boxes. Isso pensando em consumo de combustível, quesito superior às Alfas. Contudo, outro fator importante começou a fazer efeito. Com a degradação dos pneus, a Scuderia chamou seus pilotos a partir da volta 6. Ascari parou na 9. Dessa forma, a Alfa Romeo passou a ocupar as quatro primeiras posições.

Porém, isso não durou muito, já que Ascari revidou. Passou De Graffenried e Bonetto. Mas ele forçou o ritmo demais; acabou rodando e foi parar em sexto. Gonzalez assumiu o protagonismo pela Ferrari, agora conquistando o terceiro lugar. Mesmo assim, a dupla Fangio e Farina estava dominando a prova. Tanto que Fangio parou na volta 29 e voltou na frente do compatriota.

A vida de Ascari agora estava bem mais difícil. Com uma parada extra de Villoresi, alcançou a quarta colocação. Daí em diante, não conseguiu fazer muita coisa. A Espanha ainda reservou um pequeno consolo para a Ferrari, com Gonzalez passando Farina e assumindo o segundo posto. Ainda assim, ninguém conseguiu ameaçar o título de Juan Manuel Fangio, que venceu com 54 segundos de vantagem. O título era dele.

Juan Manuel Fangio, o segundo campeão da história da F-1. (Crédito: Keystone-France/Gamma-Keystone)

Resultado do GP da Espanha de 1951

Com a vitória, Juan Manuel Fangio conquistou o primeiro do cinco títulos da sua carreira. O argentino terminou a temporada com 31 pontos, enquanto Ascari ficou com 25. Jose Froilan Gonzalez, que estreou na Ferrari no meio da temporada, terminou em um excelente terceiro lugar, com 24 pontos. O primeiro campeão da F-1, Guiseppe Farina, não conseguiu defender seu título e terminou em quinto, com 19 pontos.

Reprodução: formula1.com

 

Patrocinador:

Rivalo Apostas Esportivas

Deixe uma Resposta