A História dos Grandes Prêmios – França 1950

O GP da França de 1950 foi disputado no dia 2 de julho, no circuito de Reims-Gueux. A vitória ficou com Juan Manuel Fangio, a terceira de sua carreira. Assim, a prova teve 64 voltas, totalizando 7,8 km, em uma pista temporária, composta de vias públicas, no nordeste da França. Na verdade, era o 37º Grand Prix do Automobile Club de France, além da 6ª etapa do campeonato de Fórmula 1.

A Ferrari marcou essa prova pela sua (quase) ausência. Em resumo, por ordem de Enzo Ferrari, que ordenou a retirada da sua dupla de pilotos, Ascari e Villoresi. Ambos sofreram muito com problemas mecânicos em seus modelos 275, e mal participaram da qualificação. Dessa forma, a scuderia colocou apenas um carro na pista: o 125, pilotado pelo inglês Peter Whitehead. É provável que o comendador ficou satisfeito com sua escolha, já que Whitehead conseguiu um pódio. Além disso, um possível vexame contra a Alfa Romeo foi evitado.

A equipe da casa, a Talbot-Lago, colocou seu trio oficial na pista: Yves Giraud-Cabantous, Louis Rosier e Pierre Levegh. Além deles, três pilotos independentes correram de Talbot, bem como o veterano Phillipe Etancelin e o ex-Ferrari Raymond Sommer. Outra equipe, bem menor, a Simca Gordini, voltou para o campeonato na França. Seu único representante foi Robert Manzon. A Maserati também retornou, após sua ausência da Bélgica, com cinco pilotos. Por fim, Felice Bonetto também correu com um chassi Maserati, só que equipado com um motor Milano.

Pôster Oficial do GP da França de 1950. (Fonte: statsf1.com)

Qualificação

A Alfa Romeo, como de praxe, dominou os treinos. Era um dia com o tempo bom, muito quente. As longas retas favoreceram ainda mais o desempenho dos italianos. Fangio fez a pole, com a marca de 2min30s6, seguido de Farina, com 2min32s5, e Fagioli, com 2min34s7. Na segunda fila vinham Etancelin em 4º e Giraud-Cabantous, em 5º. O 6º era Rosier, enquanto Whitehead conseguia apenas o último lugar para a Ferrari.

O calor elimina meio grid

Antes da largada, Eugene Chaboud, da Talbot, que iria largar em 10º, teve problemas mecânicos e abandonou a prova. Já na primeira volta, Farina toma a liderança de Fangio. Porém, enquanto a briga entre os saudáveis Alfas era boa lá na frente, o restante do grid sofria. A alta temperatura do interior da França não combinou com os motores. Logo de início, Sommer, Rosier e Giraud-Cabantous têm que parar para repor água. Depois disso, uma série interminável de abandonos nas primeiras 14 voltas de corrida.

O primeiro foi o argentino José Frallás Gonzáles, na 4ª volta. A seguir, foi a vez  Sommer, na 5ª, e David Hampshire, na 6ª. No 7º giro, duas Maseratis vão embora: a de Loius Chiron e a de Franco Rol. Três voltas mais tarde, sobra para Reg Parnell, também Maserati. Vez da Talbot, com Rosier na 11ª e Johnny Claes, na 12ª. Enfim, Felice Bonetto, com seu híbrido Maserati Milano, abandona na 14ª. Dessa forma, com um quarto de prova, metade do grid está de fora.

Enquanto isso, bem na frente…

Farina continuava na liderança, seguido por Fangio. Até que na volta 17, o italiano tem que parar, para consertar uma falha na sua bomba de combustível. O problema demora a ser resolvido, e ele retorna na P7. Com isso, Fangio assume a ponta, para não perder mais. Na 21ª volta o argentino fez sua parada, seguido do companheiro Fagioli, na 22.

Etancelin não resiste à queimaduras na perna por respingos de óleo, e cede seu carro na volta 26 para Chaboud. Ele pode ter perdido a chance de largar, mas ganhou uma de correr naquele dia. Hoje, um piloto nessa situação já estaria dando entrevistas, relaxando no motorhome ou indo embora. Mas naquela época, a substituição de pilotos era muito comum.

Na 37 volta, Pierre Levegh se retira da competição, com problemas de motor. Na de número 52, Fangio fez uma impressionante melhor volta: 2min35s6, a uma média de 180 km/h. Quatro voltas depois, Farina abandona, devido a seu persistente problema na bomba de combustível. Porém, na classificação final ele ficou em 7º, já que completou as 42 voltas previstas no regulamento. Além disso, Farina andou 55 voltas no total, mais do que as 52 do último colocado com a bandeirada.

Assim, Fangio vence, seguido de perto por Fagioli. Com três voltas atrás, vem a Ferrari de Whitehead, que claramente soube aproveitar o combo de DNFs. Com esse resultado, Fangio assumiu a liderança do campeonato, com 26 pontos; Fagioli vem em 2º, com 24 e Farina em terceiro com 22.

Comemoração da vitória com champanhe (provavelmente francês)/ Fonte: gpexpert.com

Resultado final do GP da França de 1950

Arte do site GP Expert.

Por fim, as imagens clássicas dessa corrida, no nosso canal no YouTube:

Patrocinador:

Deixe uma Resposta