A História dos Grandes Prêmios -Itália 1951

Patrocinador:

O Grande Prêmio da Itália de 1951 foi a penúltima etapa do campeonato. O clássico autódromo de Monza recebeu essa corrida no dia 16 de setembro, disputada em 80 voltas. Naquele dia o ocupante do ponto mais alto do pódio foi Alberto Ascari, pela segunda vez seguida no ano. A Ferrari havia finalmente conseguido desafiar os carros da Alfa Romeo. Tanto é que conseguiu uma dobradinha, com José Froilan Gonzalez em segundo. Na verdade, era foi a terceira vitória seguida da Scuderia. Mas essa evolução no final da temporada seria suficiente para impedir o primeiro dos cinco títulos de Juan Manuel Fangio?

A Alfa Romeo veio com seu trio da prova anterior, na Alemanha: Fangio, Farina, e Bonetto; mais o carro privado de Emmanuel de Graffenried. Eles estavam equipados com uma nova versão de chassi: 159M. A Ferrari, por sua vez, veio em peso. Pela primeira vez o time de Enzo Ferrari fez maioria no grid, com sete carros inscritos. Entre oficiais e privados, eram eles: Ascari, Villoresi, Gonzalez, Taruffi, Whitehead, Fischer e Landi. Sim, o primeiro brasileiro a correr na F-1, Chico Landi, estreou com uma Ferrari em Monza. Início mias que respeitável para a rica história do país no esporte. Outra equipe digna de nota é a inglesa BRM, que havia estreado (e conseguido pontos) em Silverstone. Porém, a equipe não conseguiu largar na corrida, com problemas técnicos.

Pôster do GP da Itália de 1951 (Fonte: StatsF1)

A pole, como de costume, ficou com Fangio, com um tempo de 1min53seg2. Farina largou do segundo lugar, com um ritmo de classificação parecido. As Ferraris de Ascari, Gonzalez, Villoresi e Taruffi vinham em seguida, com Bonetto em sétimo e de Graffenried em oitavo. Landi largou da 16ª posição.

Vida tranquila da Ferrari

Fangio conseguiu manter sua liderança e colocar uma certa distancia entre ele e Farina. Ascari não começou bem, mas logo mostrou ritmo. Na terceira volta, o italiano já era líder da prova. Nesse meio tempo, Chico Landi já havia abandonado, acompanhado de Whitehead e  de Graffenried. Logo, quem também começou a ter problemas foi Farina. O campeão começou a perder posições e caiu para último, até que na volta 8 ele vai para os pits. A Alfa não conseguiu resolver o problema e é mais um abandono.

O campeão abandona o GP da Itália (Fonte: https://primotipo.com/tag/1951-italian-grand-prix/)

Fangio estava entre as Ferraris de Ascari e Gonzalez, na segunda posição. O argentino conseguiu roubar a liderança por um momento, mas caiu de novo. Seus pneus já não estavam no ponto, o que o obrigou a ir para os pits. Voltou na quinta posição. Ele passa Villoresi e Bonetto e retoma a perseguição às Ferraris. Porém, a diferença já era muito grande.

A Alfa sofre para garantir o pódio

Fangio e Bonetto foram chamados pela Alfa novamente nas voltas 27 e 29. Quando parou o carro, Bonetto teve que ceder o volante para Farina. Pouco tempo depois Ascari e Gonzalez também pararam, voltando à frente dos rivais. A situação iria ficar ainda mais confortável para a scuderia, quando foi a vez de Fangio abandonar, com problemas no motor. Farina tinha a missão de conseguir o pódio para a Alfa.

E ele fez de tudo para cumpri-la. Em dezoito voltas reduziu a diferença para Gonzalez de 40 para sete segundos. Teve que parar novamente, e não escapou de confusão. Uma das rodas não encaixou corretamente, jogando muito tempo fora. Mesmo assim o italiano conseguiu retomar a corrida. Mais algumas voltas e ele para novamente, apenas para confirmar um furo no tanque de gasolina. A equipe encheu o tanque, com esperança de que fosse o suficiente para terminar a prova. E foi. Assim, Ascari e Gonzalez garantiram uma dobradinha tranquila para a Ferrari, acompanhados pelo pódio sofrido de Farina.

Resultado do Grande Prêmio da Itália de 1951

Reprodução formula1.com

Com a vitória de Ascari e o abandono de Fangio, o campeonato ficava mais embolado. O argentino tinha 27 pontos e o italiano 25. Portanto, o caneco deveria ser decidido na última corrida do ano, na Espanha.

Patrocinador:

Deixe uma Resposta