A sombra da velocidade – Shadow DN8

Tom Pryce em seu Shadow DN8

Introdução 

O DN8 é o modelo da Shadow das temporadas de 1976, 1977 e 1978 da Fórmula 1. Foi guiado por Tom Pryce, Renzo Zorzi, Alan Jones, Riccardo Patrese, Jackie Oliver, Arturo Merzario, Jean-Pierre Jarier, Hans Joachim Stuck e Clay Regazzoni. Pilotado por Alan Jones, ganhou o Grande Prêmio da Áustria de 1977, a única vitória da Shadow na F1.

O motor Ford Cosworth V8

O Shadow DN8 foi concebido por Tony Southgate antes de deixar a equipe para se juntar à equipe Lotus. O engenheiro Dave Wass então completou o trabalho de design. Caracterizou um chassi baixo com radiadores de água nas laterais e um radiador de óleo posicionado no nariz (mas que mais tarde seria movido). Originalmente previsto para o início da temporada de 1976, a falta de dinheiro motivado após a saída do principal patrocinador da equipe a petrolífera UOP atrasou o projeto, e o DN8 só fez sua estréia no Grande Prêmio da Holanda de 1976. Na temporada de 1976, apenas um DN8 foi produzido, e foi pilotado pelo galês Tom Pryce que após largar em terceiro lugar completou a corrida na quarta colocação. Southgate retornou à equipe no verão de 1977, e incitou o desenvolvimento do DN8; o chassi foi remodelado e os radiadores de água e e óleo reposicionados nas laterais do chassi.

Desenvolvimento

A Shadow Racing Cars fez uma campanha de sucessivos designs evolutivos desde a estreia da equipe em 1973 na Fórmula 1. Para a temporada de 1976, os designers Tony Southgate e Dave Wass colocaram um novo carro, mas a falta de fundos fez com que a equipe continuasse a competir com um DN5B atualizado durante a maior parte da temporada. O primeiro novo DN8 estava finalmente pronto no final do ano e estreou no Grande Prêmio da Holanda no final de agosto. Apesar de novo, o Shadow DN8 era um ‘carro de kit Cosworth’ convencional. A caixa de velocidades Ford Cosworth V8 e Hewland prontamente disponível e também altamente competitiva foram aparafusadas diretamente num monocoque de alumínio muito estreito. Na frente, as molas helicoidais e os amortecedores eram montados a bordo e acionados por balancins, enquanto na traseira os discos de freio eram instalados ao lado da caixa de câmbio. Focando tanto peso quanto possível das rodas traseiras, os radiadores foram montados em ambos os lados do motor.

O cockpit do DN8

Resultados

O primeiro piloto da equipe, Tom Pryce, teve uma promissora estreia com o DN8 ao terminar num louvável quarto lugar em Zandvoort. Ele não conseguiu repetir o ponto de pontuação nas últimas quatro rodadas da temporada. Para 1977, um segundo DN8 estava finalmente pronto. A Pryce juntou-se este ano o jovem italiano Renzo Zorzi, que terminou em sexto na segunda rodada do ano. Então a tragédia ocorreu no Grande Prêmio da África do Sul, onde Tom Pryce acidentou-se fatalmente no DN8 após bater em um fiscal, que estava cruzando a pista para ajudar Zorzi, que estava parado. Apesar de ainda estar perturbado com a morte trágica de Pryce, Shadow insistiu e substituiu o jovem galês por Alan Jones. A partir do Grande Prêmio de Mônaco, o lugar de Zorzi foi ocupado por Riccardo Patrese, enquanto Jackie Oliver, Arturo Merzario e Jean-Pierre Jarier também tiveram saídas únicas no segundo DN8. Jones, no entanto, foi de longe o mais bem-sucedido piloto da Shadow ao conquistar o que seria a primeira e única vitória do time no Grande Prêmio da Áustria. Com 23 pontos, seria a melhor temporada de F1 da Shadow. Os DN8 serviram na temporada de 1978, quando o novíssimo efeito-solo do DN9 foi preparado. O novo contratado, Clay Regazzoni, acrescentou mais dois pontos ao recorde do DN8 com o quinto lugar no Grande Prêmio do Brasil. Embora para sempre ligado ao trágico acidente de Pryce, o DN8 também entrou na história como o mais bem sucedido carro Shadow Formula 1.

Trajetória

Chassi: DN8/1A
Finalmente concluído em agosto de 1976, o primeiro DN8 estreou com um quarto lugar no Grande Prêmio da Holanda nas mãos de Tom Pryce. Ele correu com o carro mais quatro vezes naquele ano, mas não conseguiu marcar mais pontos. Depois de mais duas largadas nas mãos de Pryce no início da temporada de 1977, foi pilotado por Zorzi, Oliver e Patrese com pouco sucesso. Aposentado das competições contemporâneas no final de 1977, foi restaurado para a sua configuração e decoração de 1976.

Visão lateral do modelo

Chassi: DN8/2A
O segundo DN8 construído, chassi 2A estreou no trágico Grande Prêmio da África do Sul, onde Tom Pryce acidentou-se fatalmente. Ele não pôde evitar um fiscal que atravessou a pista, e foi subsequentemente atingido na cabeça pelo extintor de incêndio do fiscal, que o matou instantaneamente e mandou o carro para dentro da barreira. O carro extensamente danificado não voltou a correr. Nos anos mais recentes, uma reconstrução surgiu e tem sido regularmente disputada em eventos históricos.
Chassi: DN8/4A

Detalhe da alavanca de troca de marchas

Em Osterreichring em 14 de agosto, Alan Jones marcou a vitória do Grand Prix inaugural do Shadow, na primeira saída do chassi DN8/4A. No final do ano, ele também ficaria em terceiro lugar no Grande Prêmio da Itália, pilotando o quarto DN8. Jones, em seguida, bateu o carro fortemente no Grand Prix dos Estados Unidos em Watkins Glen.
Chassi: DN8/6A
Não correu até outubro de 1977, no Grand Prix dos Estados Unidos em Watkins Glen, este é o sexto e último Shadow DN8 construído. Ele estreou nas mãos de Jean-Pierre Jarier, que terminou em nono em sua única largada pela Shadow naquela temporada. O chassi 6A foi então confiado a Riccardo Patrese, que ficou em 10º no Grande Prêmio do Canadá. Depois de apenas duas provas, foi retirado das corridas de Grande Prêmio, mas foi utilizado como base de um dos carros Can-Am DN10 de um só lugar. Restaurado em sua configuração original, o chassi DN8/6A foi recentemente promovido no FIA Masters F1 Championship.

Caixa de câmbio e canos de escapamento do protótipo

Ficha técnica

Motor: Configuração Ford Cosworth DFV 90º V8

Localização: no meio, montado longitudinalmente

Peso: 168 quilos / 370,4 lbs

Construção e cabeçote em bloco de alumínio

Deslocamento: 2,993 cc/182,6 cu pol. Furo/Curso 85,7 mm (3,4 pol.)/64,8 mm (2,6 pol.)

Compressão: 11.0: 1

Válvulas: 4 válvulas/cilindro, DOHC Engrenagem da árvore de cames acionada

Injeção de combustível: Lucas Fuel Injection

Lubrificação: Dry sump

Naturalmente aspirado

Potência: 485 cv/362 kW a 10.600 rpm

Torque: 363 Nm/268 ft lbs a 7.000 rpm BHP/litro 162 cv/litro

Transmissão: Monocoque de chassi de alumínio

Suspensão: double wishbones, molas, amortecedores

Direção e pinhão a cremalheira

Freios dianteiros: discos ventilados

Freios traseiros: discos ventilados

Caixa de velocidades: Hewland TL 200, 5 velocidades; Manual; movimentação da roda traseira Dimensões:

Peso: 580 quilos/1,279 lbs

Distância entre eixos: 2.667 mm (105 pol.)/1.473 mm (58 pol.)/1.549 mm (61 pol.)

Rodas: 10x 3/18×3

Pneus: Goodyear 9,5/20 – 13/16,2 / 6 – 13

Números de desempenho:

Potência/peso: 0,84 cv/kg

História em corridas, vitórias principais: Grande Prêmio da Áustria de 1977 (Alan Jones no DN8/4A)

O design do monoposto

Fontes:

https://www.ultimatecarpage.com/car/466/Shadow-DN8-Cosworth.html

https://en.m.wikipedia.org/wiki/Shadow_DN8

https://www.oldracingcars.com/shadow/dn8/

http://www.legendsracing.co.uk/showroom/car/1977ShadowDN8

https://www.racingsportscars.com/type/photo/Shadow/DN8.html

Patrocinador:

Deixe uma Resposta