Binotto: “Uma vergonha” questionarem legalidade do motor Ferrari

Mattia Binotto chefe da Ferrari, diz que é uma vergonha que a legalidade de seu design de motor esteja sendo questionada

Equipes rivais da Ferrari buscaram esclarecimentos junto à FIA sobre a legitimidade das técnicas que eles acreditam estar por trás do desempenho superior do motor da Ferrari.

A equipe de Maranello disse que acolheria um protesto formal sobre o assunto, para que pudesse se esclarecer e provar que seus críticos estavam errados.

Falando com exclusividade ao Motorsport.com no México, Binotto disse: “Primeiro, todas as equipes da F1 estão trabalhando duro para criar vantagens competitivas”.

“Trabalhamos muito para melhorar nosso pacote de unidades de potência, que não era o melhor quando os regulamentos entraram em vigor em 2014”.

“Se estamos na frente agora, devemos simplesmente nos orgulhar disso. Precisamos ser claros, é uma vergonha ler o que eu leio na internet ou nos jornais”.

“Outros concorrentes tinham uma vantagem no passado e ninguém colocou nenhuma culpa nisso”.

“Como Ferrari, quando temos uma desvantagem na unidade de potência, a única coisa que colocamos é o esforço para tentar resolver e melhorá-la. Seria muito mais justo não ler ou ouvir alguns comentários.”

Nenhum protesto foi apresentado ainda para contestar a legalidade do motor da Ferrari, embora as equipes envolvidas não tenham certeza de como proceder, pois alegam não ter recebido uma resposta da FIA”.

Binotto disse que a Ferrari está “tão relaxada que não nos importamos”. Seria melhor para a FIA se manifestar e descartar as preocupações, e é mais “um problema para os outros do que para nós”.

“A FIA está sempre e continuamente observando os dados de telemetria, sempre observando a conformidade de todas as unidades de potência com os regulamentos e sempre inspecionando como eles faziam todos os anos e em todas as corridas”, acrescentou.

“Não tenho fatos claros de protestos ou alguém indicando algo especial para a FIA”.

“Temos uma vantagem lá, talvez não tão grande quanto as pessoas possam acreditar, mas é apenas fruto de um trabalho árduo e estamos muito orgulhosos disso”.

A superioridade do motor da Ferrari contribuiu para uma vantagem linear significativa em alguns circuitos, estimada em oito ou nove décimos de segundo.

No entanto, Binotto insiste que isso também se deve em parte à sua filosofia aerodinâmica de arrasto inferior, em comparação com seus principais rivais, e a resistência inferior que vem com isso.

“Não somos os que têm menos arrasto”, disse. “Isso explica porque não somos tão rápidos nas curvas”.

“Se você tem menos downforce, tem menos resistência. Isso é óbvio”.

“Acho que a combinação de nosso carro, menos força de tração e menos resistência, nos dá uma vantagem nas retas, além de alguma vantagem no motor”.

O progresso da Ferrari com seu carro reduziu seu déficit nas curvas e foi fundamental para transformar uma luta inconsistente contra a Mercedes na primeira metade da temporada, iniciando as últimas seis corridas da pole position.

Mas Binotto disse que a equipe “não progrediu tanto no motor quanto no carro” este ano, porque “desde o início da temporada, colocamos muita força no carro [então] hoje estamos mais perto de nossos concorrentes”.

Ele argumentou que quaisquer que fossem seus ganhos nas retas estavam efetivamente em competição direta com os pontos fortes da Mercedes e da Red Bull nas curvas.

“Esse é o equilíbrio onde você pode escolher seus pontos de trabalho. Como estamos ganhando vantagem nas retas, nunca culpamos os outros por serem tão rápidos nas curvas.”

“Então, eles são tão rápidos porque têm um truque? Acho que não. Como não temos truques nas retas. É assim que você gerencia e projeta seu carro e como o utiliza.”

Fonte Motorsport

Patrocinador:

Deixe uma Resposta