Carros clássicos – Wolf WR1

Na pista de Mônaco

As páginas que narram a epopeia da categoria máxima do automobilismo estão repletas de fatos interessantes, curiosos e por vezes bizarros. Muito já se escreveu sobre o assunto, que é de uma vastidão tão impressionante que se nos concentrarmos em apenas uma das quase sete décadas da categoria teríamos assunto para encher milhares de páginas de livros, ou como modernamente se faz gigabytes ou terabytes de dados. São tantas informações a respeito de equipes, carros, motores, pneus, combustíveis e lubrificantes, aerodinâmica, eletrônica, projetistas, engenheiros, chefes de equipe, pilotos, etc…, que há dificuldade até para escolher o tema.

Aqui nos concentraremos na máquina, carros que fizeram a história da competição.

História

O interior do cockpit

Na história da F1, apenas quatro equipes venceram em sua estreia. Tirando a Alfa Romeo, naturalmente, que ganhou a primeira corrida da historia, restam três. Uma delas foi a Wolf, em 9 de janeiro de 1977.

Magnata austríaco de cidadania canadense, Walter Wolf começou a se aventurar na F1 como parceiro de Frank Williams em meados da década de 1970. Quando Frank seguir o próprio rumo, Wolf também montou seu time.

Pensando grande, ele contratou o renomado projetista Harvey Postlethwaite e tirou da Tyrrell o experiente sul-africano Jody Scheckter. Na categoria desde 1972, já tinha defendido McLaren e Tyrrell, e tinha no currículo quatro vitórias.

Tendo executado um Hesketh 308C renomeado em 1976, o canadense Walter Wolf partiu para compor uma equipe para construir seu próprio chassi exclusivo. Harvey Postlethwaite certamente foi um grande trunfo para Wolf ter a bordo, graças a sua escolha de ficar com Wolf depois que Frank Williams optou por abandonar a recém-fundada equipe Wolf-Williams Racing para começar sua própria equipe. Postlethwaite já havia construído um carro vencedor com o Hesketh 308B e, portanto, sabia o que era preciso para construir um carro sólido para a Fórmula 1 daquela época. O sucesso, portanto, foi imediato, com Sheckter tendo a vitória na corrida de abertura da temporada. Mais duas vitórias e alguns pódios fizeram Scheckter terminar em segundo no campeonato de pilotos daquele ano. O próprio WR1 foi o primeiro design criado e construído por Wolf, e foi rapidamente seguido pelo idêntico WR2, já pronto no início da temporada. O WR3 também foi idêntico e completado em março de 1977, enquanto o chassi WR4 foi produzido com pequenos ajustes. O WR1 foi mais tarde modificado para a temporada de 1978, mas ficou essencialmente obsoleto devido à chegada do efeito solo em 1978. O chassi WR1 registrou 3 vitórias e uma volta mais rápida em 1977. Ele disputou 10 das 17 corridas de 1977 e mais 5 em 1978, todas nas mãos de Jody Scheckter.

Visão da frente do bólido

A estreia do WR1 aconteceu em Buenos Aires, no GP da Argentina, e causou grande surpresa. Mas apenas a partir do domingo.

O então campeão James Hunt cravou a pole com a McLaren, deixando John Watson na segunda posição com a Brabham. A Ferrari de Niki Lauda ficou no terceiro lugar, à frente de Jochen Mass, da McLaren, e José Carlos Pace, também da Brabham.

Na corrida, Watson tomou a ponta na largada, mas levou o troco de Hunt na volta 11. Mas falhas mecânicas — coincidentemente, na suspensão — tiraram ambos da disputa. Hunt abandonou primeiro, ao passo que Watson foi tentando resistir. Apesar disso, não demorou para ceder a liderança para Pace.

Enquanto isso acontecia, Scheckter vinha de trás pisando forte no acelerador de seu Wolf-Cosworth. Assumiu a segunda posição com o abandono de Watson na 42ª volta e começou a se aproximar de Pace. Na volta 48, superou o brasileiro. O ritmo era tão melhor que ele abriu 43s para receber a bandeirada confortavelmente na primeira colocação.

Mario Andretti ainda passaria por Scheckter, porém não chegou ao fim com um problema em uma das rodas traseiras. Assim, Pace ficou mesmo em segundo no último pódio de sua carreira, e Carlos Reutemann completou o pódio. Emerson Fittipaldi, com a Copersucar, foi quarto.

O futuro da Wolf — Scheckter ainda venceria duas provas em 1977 e para fechar o ano como vice-campeão com 55 pontos. Lauda, que confirmou o bi, somou 72 em 16 corridas — sequer disputou o GP do Japão.

O motor Ford V8

O ano seguinte já não foi tão bom, com a confiabilidade afetando bastante os resultados, e Scheckter foi apenas sétimo antes de se transferir para a Ferrari para ser campeão em 1979.

Em 1979, a situação na Wolf se complicou ainda mais. James Hunt inclusive decidiu se aposentar no meio do ano. Terminado o Mundial, o senhor Wolf se cansou e vendeu o time para Emerson Fittipaldi, que mesclou a estrutura da Wolf com a da Copersucar.

O Wolf WR1 foi um carro de Fórmula 1 construído para a temporada de 1977 pela equipe Walter Wolf Racing. Quatro exemplos do carro foram produzidos. O primeiro, concluído bem antes do início da temporada, foi o WR1. Outros dois carros idênticos foram construídos: WR2 , terminado antes da primeira corrida; e WR3 , pronto em março de 1977. No final da temporada, um quarto carro, o WR4 , foi produzido com ligeiros ajustes, e o WR1 foi remodelado de forma semelhante para 1978. O carro original foi dirigido exclusivamente pelo futuro campeão mundial sul-africano de 1979, Jody Scheckter.em 1977. WR3 e WR4 também foram conduzidos pelo futuro campeão mundial Keke Rosberg na temporada de 1978.

História da Competição

Para a temporada de 1976 da Fórmula 1, o canadense Walter Wolf havia comprado 60% da equipe Frank Williams Racing Cars, concordando em manter o anterior proprietário Williams como gerente. Williams deixou o time antes do início da temporada de 1977 para formar sua nova equipe Williams Grand Prix Engineering. Tendo dirigido um renomeado Hesketh 308C em 1976, Wolf precisava agora construir seu próprio carro, recrutando um grupo de designers talentosos para o trabalho, liderado por Harvey Postlethwaite, que havia trabalhado na Hesketh Racing. O WR1 tornou-se o primeiro carro construído pela equipe e causou uma impressão instantânea quando Scheckter venceu em sua estreia noGrande Prêmio da Argentina de 1977. O sul-africano ganharia duas corridas adicionais, o prestigioso Grande Prêmio de Mônaco e a corrida caseira da equipe no Canadá, todas no chassi WR1. Ele finalmente terminou o campeonato em segundo lugar. No geral, o WR1 foi o mais bem sucedido dos três chassis usados ​​em 1977: ele correu em dez das 17 corridas, marcando todas as três vitórias e uma volta mais rápida. Scheckter conseguiu outra volta mais rápida no GP do Japão em WR3 e uma pole position com WR2 em Hockenheim.

Com a chegada do efeito solo em 1978, o carro tornou-se obsoleto, mesmo em sua configuração WR4 remodelada, e foi usado apenas em algumas das corridas. WR3 e mais tarde WR4 foram entregues à Theodore Racing por seu novo recruta Keke Rosberg, que terminou apenas uma de suas corridas no carro, no Grande Prêmio da Alemanha de 1978. Scheckter marcou mais um pódio na WR1 no Grande Prêmio de Mônaco de 1978. Na metade da temporada, o design do WR1 foi substituído pelo novo Wolf WR5.

O protótipo da Wolf

Fórmula Um
Construtor Walter Wolf Racing
Designer (es) Harvey Postlethwaite
Sucessor Wolf WR5
Especificações técnicas 
Chassi Monocoque de alumínio, com motor como membro totalmente tensionado.
Trilha do eixo Frente: 1,410 mm (56 pol) 

Traseira: 1,524 mm (60,0 pol)

Distância entre eixos 2.616 mm (103,0 pol.)
Motor Ford Cosworth DFV 2,993 cc (182,6 pol.) 90 ° V8naturalmente aspirado,montado no meio .
Transmissão Caixa de velocidades manual de 6 velocidades Hewland FGA 400
Peso 585 kg (1.290 lb)
Combustível FINA
Lubrificantes Castrol
Pneus Goodyear
História da Competição
Equipe Walter Wolf Racing
Pilotos África do Sul Jody Scheckter

Keke Rosberg

Finlândia

Estréia Grande Prémio da Argentina de 1977
Corridas Vitórias Pódios Poles Voltas ráp.
27 3 10 1 2

Fontes:

https://www.f1technical.net/f1db/cars/385/wolf-wr1

https://www.grandepremio.com.br/f1/noticias/na-garagem-equipe-wolf-estreia-na-f1-vencendo-gp-da-argentina-com-scheckter

https://www.statsf1.com/pt/wolf-wr1.aspx

https://en.wikipedia.org/wiki/Wolf_WR1

Patrocinador:

Deixe uma Resposta