Ensign N179 – um projeto da década de 1970

O Ensign na pista

A Fórmula 1 está repleta de casos de  carros que tiveram passagem medíocre e meteórica na categoria, não marcando a memória do público em geral. No entanto esses carros – geralmente de equipes pequenas ou médias que não tem vultosas quantias para investir em pesquisa e desenvolvimento, nem grandes patrocinadores – fazem parte da história da categoria e ajudaram a moldá-la através dos tempos.

Ensign N179

O Ensign N179 foi um carro de corrida da Fórmula 1 projetado por Dave Baldwin e usado pelo Team Ensign durante a temporada de Fórmula 1 de 1979 .

O N179 foi substituído pelo Ensign N180 para a temporada de 1980.

Em 1979, o monoposto N179 foi equipado com um novo sistema de radiadores montados na frente que, teoricamente, refrigerariam o motor. Mas na prática, não só o motor não resfriava, mas o piloto sofria com o calor em seu cockpit! Em 1980, no Grande Prêmio dos Estados Unidos, o destino atinge a equipe. Quando ficou em quarto lugar, Clay Regazzoni sofreu um terrível acidente que o deixou paralisado.

O monoposto nos boxes

O Ensign N179 apareceu pela primeira vez no GP da África do Sul em Kyalami, e não se qualificou para a largada. Derek Daly bateu em Long Beach e como o monocoque foi danificado no acidente, o velho N177 foi ressuscitado para as corridas da Espanha e Bélgica, onde o irlandês não se qualificou. O N179 voltou em Mônaco, mas Daly de novo ficou de fora. Morris Nunn, dono da equipe, acabou dispensando o piloto para trazer um novato: Patrick Gaillard.

A frente do N179

Em cinco ocasiões que tentou se classificar, o francês fracassou em três e largou no GP da Inglaterra, chegando em 13º lugar e também na Áustria, onde a suspensão do carro quebrou. O N179 era um mau carro: além de não ter a eficiência aerodinâmica esperada, os motores Ford Cosworth não eram refrigerados de forma adequada.

Nas três últimas corridas, quem assumiu o volante do carro nº 22 foi o novato suíço Marc Surer, que conquistara o título de Campeão Europeu de Fórmula 2. No fim do ano, o N179 mudou o visual: saiu a pintura vermelha e entrou um arco-íris sobre um fundo escuro, cortesia do patrocínio dos jeans Rainbow. Surer só fez sua estreia no GP dos EUA, em Watkins Glen, sob chuva. Largou em 21º e o motor quebrou.

Marc Surerno GP dos Estados Unidos de 1979

Para o Mundial de 1980, Morris Nunn trouxe Ralph Bellamy, que fracassara fragorosamente com o Copersucar-Fittipaldi F6 e pediu ao projetista um carro simples, mas funcional, dentro do conceito de carro-asa. Nasceu o Ensign N180, de linhas harmoniosas e com o patrocínio da Unipart – provavelmente com a mais bela pintura da equipe na Fórmula 1.

O N179 não era considerado um carro bonito

Clay Regazzoni, que fizera temporada muito boa pela Williams mesmo prestes a completar 40 anos, regressou à equipe. E o começo de ano foi bastante honesto: Regazzoni foi 15º no grid em Buenos Aires, 12º em Interlagos e chegou em nono no GP da África do Sul.

Design do monoposto

No GP dos EUA-Oeste disputado em Long Beach, o inesperado aconteceu: penúltimo no grid, Regazzoni já era o quarto na altura da 50ª volta, quando meteu o pé no freio para fazer um hairpin e não houve resposta: os freios simplesmente falharam. O ítalo-suíço entrou com tudo no Brabham de Ricardo Zunino, que estava estacionado na área de escape e o chassi dobrou em “L”, além de haver um princípio de incêndio, prontamente debelado. As consequências do acidente foram terríveis para Rega, que perdeu os movimentos das pernas, ficou paraplégico e precisou encerrar sua carreira de piloto.

Visão aérea do carro

Om que poderia ser um ano bastante razoável para a Ensign acabou sendo um completo desastre a partir daí. Não por culpa do carro – é que não havia bons pilotos capazes de conduzi-lo. Mo Nunn deu uma chance ao britânico Tiff Needell em duas corridas: em Zolder, ele até conseguiu largar, mas o motor não resistiu. No GP de Mônaco, o inexperiente piloto não se classificou.

O bom uso da potência de um motor às vezes passa por um bom resfriamento do mesmo.

Mo Nunn e o paquistanês Shahab Armed, os designers deste Ensign, entenderam perfeitamente. Numa época em que todos estavam tentando integrar os radiadores no fluxo de ar localizado embaixo do carro, eles criaram uma F1 que se reconectou com uma tradição esquecida por várias estações: os radiadores frontais. Estes então ocuparam toda a frente do carro, o suficiente para garantir que o motor não sofresse superaquecimento. Finalmente, em teoria …, porque na prática, o resfriamento se mostrou medíocre e o calor do cockpit insuportável para os pilotos!

O carro no grid de largada

Categoria Fórmula Um
Construtor Equipe Ensign
Designer (es) Dave Baldwin
Antecessor Ensign N177
Sucessor Ensign N180
Especificações técnicas 
Chassi Monocoque de alumínio
Distância entre eixos 2,667 mm (105,0 pol.)
Motor Ford – Cosworth DFV 2,993 cc (182,6 pol.) 90 ° V8naturalmente aspirado , montado no meio.
Transmissão Caixa de velocidades manual de 5 velocidades Hewland FGA 400 .
Peso 578 kg (1,274 lb)
Combustível Valvoline
Pneus Goodyear
História da Competição
Participantes notáveis Equipe Ensign
Pilotos destacados República da Irlanda Derek Daly

Patrick Gaillard 

França

Suíça Marc Surer

Estréia  Grande Prêmio da África do Sul de 1979
Corridas Vitórias Poles V. Rápidas
11 0 0 0
Campeonato de Construtores 0
Campeonato de pilotos 0

A traseira do bólido

https://www.statsf1.com/pt/ensign-n179.aspx
http://www.chicanef1.com/indiv.pl?name=Ensign%20N179&type=M
http://f1-facts.com/overview/product/1608
https://www.racingsportscars.com/type/photo/Ensign/N179.html?cat=2
http://d2ybq9unw89ve4.cloudfront.net/formula-1/0/ranked-ugliest-f1-cars-time/ensign-n179/
https://www.alamy.com/paul-tattersall-ensign-n179-fia-masters-historic-formula-one-f1-formula-1-silverstone-classic-july-2018-silverstone-chris-mcevoy-circuit-rac-image224227855.html
https://en.wikipedia.org/wiki/Ensign_N179
https://www.grandprix.com/gpe/con-ensig.html

https://rodrigomattar.grandepremio.com.br/2013/02/saudosas-pequenas-ensign-parte-iv/

Patrocinador:

Rivalo Apostas Esportivas

Deixe uma Resposta