Gilles Villeneuve

Publicidade:

O que perfaz um grande? São resultados ou são campeonatos conquistados? Se uma é a resposta, por que então Gilles Villeneuve é o piloto mais amado de sua geração? O seu estilo de condução agressivo, de lado e a sua insistente recusa em desistir emocionaram a F1 onde brilhou por apenas quatro temporadas completas. A morte de Villeneuve deixou uma cicatriz profunda no esporte, mas lançou uma lenda.

Antecedentes e carreira inicial

Filho de um afinador de piano, Villeneuve deu as costas à música em favor dos carros desde tenra idade. Ele competiu em corridas de arrancada e snowmobiles a fim de economizar dinheiro suficiente para comprar um Fórmula Ford usado (de dois anos) com a qual venceu prontamente o campeonato local.

Teimoso e obstinado, ele financiou sua temporada de Fórmula Atlântic em 1974, vendendo a casa da família aparentemente sem discutir isso com a esposa. A aposta parecia ter saído pela culatra quando ele quebrou a perna esquerda no Mosport Park. Villeneuve voltou com seu próprio time e venceu imediatamente na chuva em Gimli. Sua reputação crescente como um talento rápido, mas propenso a acidentes, assumiu dimensões internacionais quando competiu contra os astros visitantes Jean-Pierre Jarier e Patrick Depailler em Trois-Rivières, em 1975.

Dominante tanto durante o inverno no campeonato de snowmobile quanto no Campeonato de Fórmula Atlântico da América do Norte em 1976, Villeneuve foi convidado a se juntar à equipe de Fórmula 2 da Project Four de Ron Dennis em Pau. Um décimo digno de nota no grid, a fraternidade de F1 notou quando venceu James Hunt em Trois-Rivières naquele outono.

Estréia na Fórmula 1 pela McLaren

A McLaren contratou Villeneuve por recomendação de Hunt para dirigir um terceiro McLaren M23-Ford no GP da Grã-Bretanha de 1977 em Silverstone, e sua estréia foi espetacular. Ele se classificou à frente do piloto regular número dois, Jochen Mass, na nona posição (apesar de guiar um carro antigo) e foi rápido na corrida entre várias rodadas.

Mudança para Ferrari

A Ferrari, à caça de um bom substituto para o recém-saído Lauda, ficou impressionada e Villeneuve assumiu o cockpit abandonado pelo bicampeão austríaco nas duas últimas corridas da temporada. No entanto, seu Ferrari 312T2 colidiu com o Tyrrell de seis rodas de Ronnie Peterson durante o GP do Japão, com consequências trágicas. O carro de Villeneuve saiu da pista e dois espectadores que haviam entrado em uma área não autorizada foram mortos.

Villeneuve começou sua primeira temporada completa de forma irregular, mas como um destaque óbvio entre as novas lebres do circo. Ele dominou em Long Beach antes de se enroscar com a Shadow-Ford de Clay Regazzoni enquanto tentava dar-lhe uma volta e também perdeu o segundo lugar em Monza após queimar a largada. No entanto, 1978 terminou com uma primeira vitória emocionante no GP do Canadá, depois que o Lotus-Ford de Jean-Pierre Jarier abandonou.

Jody Scheckter juntou-se à Ferrari em 1979. Foi o ano em que Villeneuve domesticou seu lado selvagem e se tornou reconhecido como o piloto mais rápido em campo. As primeiras vitórias consecutivas na África do Sul e Long Beach deram a ele a liderança do campeonato mundial e ele estrelou na Bélgica antes de ficar sem combustível na última volta.

Scheckter venceu naquele dia e o equilíbrio de poder dentro da equipe mudou. Villeneuve acabou apoiando o desafio bem-sucedido de seu companheiro de equipe e terminou como vice-campeão. Ele terminou o ano apenas quatro pontos atrás de Scheckter – uma margem que equivale ao terceiro lugar que perdeu na Bélgica.

Tão memoráveis ​​quanto as vitórias (que também incluíram a Corrida dos Campeões na Brands Hatch e no GP dos Estados Unidos) foram suas performances na França e na Holanda. Seu duelo roda-a-roda no GP da França com René Arnoux na segunda posição e sua determinação em retornar aos boxes de Zandvoort após um furo no pneu de sua Ferrari foram criticados em alguns setores, mas serviram apenas para consolidar seu lugar no carinho do público – eles ajudaram a escrever a lenda de Villeneuve.

Anos finais

No entanto, 1980 foi prejudicado pelos pneus Michelin e pelo desenvolvimento do novo motor turbo da Ferrari. O Ferrari 126CK era todo potência e nenhuma aderência em 1981, mas Villeneuve marcou suas duas últimas e melhores vitórias. Ele segurou Alan Jones em um climax emocionante em Mônaco e o GP da Espanha que se seguiu está gravado na memória de todos os fãs de F1 de uma certa idade. Villeneuve manteve quatro carros mais rápidos em seu slipstream nas últimas 20 voltas para vencer em Járama.

A Ferrari era a favorita ao título em 1982, embora tenha provado ser uma campanha controversa e trágica. Com as equipes britânicas boicotando o GP de San Marino, Villeneuve se sentiu traído quando o companheiro de equipe e ex-amigo Didier Pironi conquistou uma vitória na última volta depois que os pilotos foram instruídos a manter a posição.

Segui-se o GP da Bélgica em Zolder duas semanas depois e Villeneuve ainda estava furioso. Com sete minutos de qualificação restantes e marginalmente mais lento que Pironi, ele partiu para uma última tentativa. Villeneuve decolou ao passar com a roda dianteira sobre a traseira do mais lento March de Jochen Mass ao entrar na Terlamenbocht e a Ferrari deu um salto mortal em alta velocidade. Villeneuve foi declarado morto durante a noite.

Ele venceu apenas seis dos 67 GPs que iniciou, mas os heróis das corridas não são medidos apenas nas estatísticas.

 

Publicidade:

 

PS. Dedico esse texto ao meu querido amigo Marcus Flavio Rabelo, fã de Villeneuve.

Deixe uma Resposta