Horner: Cláusulas contratuais não definirão o futuro de Verstappen

Chefe da Red Bull acredita que possui melhor piloto do grid e que o holandês está totalmente comprometido com o projeto da Red Bull Honda

O chefe da Red Bull, Christian Horner, acredita que o futuro de Max Verstappen no time não será ditado por “um pedaço de papel”, porque segundo ele, o holandês está realmente comprometido com o projeto da equipe na Fórmula 1 e confia no sucesso do desenvolvimento da Honda.

Verstappen tem contrato com a Red Bull até o fim de 2020, mas especulações dão conta de que existe uma cláusula de desempenho no contrato do holandês com a equipe, o que permitiria ao piloto deixar o time no fim deste ano, por não lhe oferecer um carro com que possa disputar o título.

O piloto venceu a última etapa da F1 na Áustria, garantindo a primeira vitória da Red Bull no ano e a primeira da Honda em mais de uma década. Além disso, o triunfo colocou fim à hegemonia da Mercedes, que venceu 100% das corridas anteriores em 2019.

Horner reconheceu que há “muitas especulações sobre o contrato de Max” e efetivamente confirmou que realmente existe uma cláusula de performance, mas que é algo padrão nos contratos de todos os times de ponta.

“Há critérios de performance nos contratos de todos os pilotos de ponta, provavelmente para os dois pilotos da Ferrari e Mercedes também”.

“A vitória na Áustria não muda nada em nosso acordo. E além dos contratos, se você estiver segurando um piloto apenas por conta de um pedaço de papel, não é a relação correta para se ter”.

“Max genuinamente acredita em nosso projeto, no pessoal habilidoso que temos na equipe e no progresso dos motores Honda. E ele comprou toda a ideia, o que torna qualquer pedaço de papel em algo irrelevante. Ele gosta de fazer parte do time e ele acredita no nosso potencial”.

A Red Bull seria a segunda no campeonato de construtores se Pierre Gasly estivesse no mesmo nível dos ‘segundos pilotos’ da Ferrari e da Mercedes, mas enquanto Valtteri Bottas e Charles Leclerc somaram 85% dos pontos de seus companheiros, Gasly conseguiu apenas 34% dos pontos marcados por Verstappen.

O holandês conquistou vitórias em cada uma das quatro temporadas que disputou pela Red Bull. Quando perguntado pelo Motorsport.com sobre a importância que isso tem para manter o piloto na equipe, Horner respondeu que “Max é um grande ativo para nós. Nós temos que dar a ele um carro com o qual possa competir pelo campeonato mundial”.

“Agora, 2019 será um ano de transição com um novo parceiro de motor e com toda a integração necessária. No momento superamos nossas expectativas internas. Nós alcançamos uma vitória na nona corrida juntos, tivemos um par de pódios e deveríamos ter chego na segunda posição em Mônaco. Max tem entregado além do limite em algumas corridas”.

“Ele está em um estágio agora, em seu quinto ano na F1, em que vemos que ele se tornou um piloto completo. Ele adquiriu maturidade e experiência nos últimos 12 meses. A forma como ele lida com a pressão tem sido impressionante”.

Horner não vê nenhuma razão para o jovem deixar de vencer um campeonato mundial com a Red Bull, que conquistou seu último título em 2013. Ele disse que a equipe agora tem “o melhor” piloto na F1, “uma equipe fantástica de engenheiros” e, com a Honda, um parceiro de motores pare reduzir a diferença para Ferrari e Mercedes.

“O déficit de motor tem sido nosso calcanhar de Aquiles desde 2013”, disse Horner. “Para nós, este será um ano de evolução. Mas nossa meta é estar na briga pelo título desde o início de 2020”.

Fonte Motorsport

Patrocinador:

Deixe uma Resposta