Lotus 97T – o carro da primeira vitória de Ayrton Senna na Fórmula 1

Lotus 97T

Em 1985 a lendária equipe Lotus passava por um período turbulento. Seu último título remontava à temporada de 1978, com Mario Andretti, e a última vitória fora em 1982, no GP da Áustria, vencido por Elio de Angelis, mesmo ano em que perdera seu fundador, o mítico Colin Chapman. O chefe da equipe, que substituíra Chapman, Peter Warr sabia que precisavam desesperadamente de resultados positivos. Para isso ele viu uma chance em um promissor jovem piloto, vencedor nas categorias de acesso e já em seu ano de estreia, uma sensação na Fórmula 1, e em uma negociação agressiva a equipe o contratou.

No segundo ano de Ayrton Senna na F1, ele mudou de equipe buscando um lugar que o aproximasse da coroa do campeonato. A nova equipe à qual ele se juntou foi a lendária Lotus, uma equipe com a qual seu herói pessoal, Jim Clark, já havia corrido.

O mítico capacete amarelo e o lendário negro JPS da Lotus

Esperava-se que a F1 daquele ano fosse mais dura em termos de eficiência de combustível devido a uma restrição na capacidade de combustível e proibição de reabastecimento incorporada a partir do ano anterior. Em resposta a esse problema, a Lotus introduziu uma nova máquina, a 97T. O 97T foi projetado por Gérard Ducarouge, que também projetou o 95T anterior. Além de alterar a aerodinâmica em torno do radiador em consideração ao calor produzido pelo motor turbo, ele também projetou um defletor para ir atrás dos pneus dianteiros para reduzir o arrasto na frente do corpo. Este defletor marcou o início da aerodinâmica avançada nas corridas de F1.

Caixa de câmbio Hewland

O motor foi o Renault V6 turbo, agora no seu terceiro ano de aplicação. Mas como o modelo 1985 da EF15 foi projetado mais para economia de combustível, o EF4 do ano anterior foi bastante usado durante a qualificação. O 97T com letras de ouro proeminentes em um corpo negro deixou uma forte impressão naqueles que colocaram os olhos no carro.

Motor Renalt-Gordini V6 Turbo

Senna era o segundo piloto naquele ano, mas assim que a temporada começou, ele rapidamente provou que era mais rápido que o piloto principal, Elio de Angelis. Mostrou uma excepcional capacidade na 2ª jornada no GP de Portugal, dominando a fase de qualificação e terminando as voltas antes do 3º lugar, apesar da chuva torrencial. Ele também estava mais de um minuto à frente da Ferrari em segundo lugar. Esta foi a primeira vitória de Senna na F1, e ele manteve sua reputação de seus anos de corridas de Kart, onde aperfeiçoou sua habilidade de dirigir em condições molhadas.

Ayrton Senna em condições adversas como pista molhada destacava sua superioridade em relação aos outros

Senna venceu outra corrida na 13ª rodada, no GP da Bélgica e conquistou a pole position 7 vezes durante a temporada de 1985. Ele terminou a temporada em 4º no ranking de pilotos, e o 97T tornou-se famoso como a máquina que levou o piloto brasileiro a sua primeira vitória, em suas primeiras viagens ao mundo das corridas de F1.

Elio de Angelis no 97T

História

Lotus 97T foi um carro de corrida da Fórmula 1 projetado por Gérard Ducarouge e construído pela Team Lotus. Um desenvolvimento do Lotus 95T de 1984, foi projetado para a temporada de Fórmula 1 de 1985 pelo engenheiro francês Gérard Ducarouge. O 97T foi alimentado pelo motor turbo 1.5L Renault, que produzia até cerca de 800 cv (597 kW; 811 PS);o motor para classificação chegava aos 1200 CV. O patrocínio veio da John Player Special, da petrolífera francesa Elf (o fornecedor oficial de motores do Renault) e das Câmeras Olympus, enquanto o carro usava pneus Goodyear.

4° colocado no campeonato de F1 de 1985

O 97T tinha um design geralmente simples, usava elementos do projeto Lotus 96T Indycar extinto, na aerodinâmica com outra peça de design Lotus: uma forma inicial de bargeboards. Eles foram colocados entre as rodas dianteiras e as laterais, melhorando o fluxo de ar ao redor da lateral do carro. Ducarouge também contornou a proibição dos “winglets” vistos nas asas traseiras dos carros de 1984, colocando-os nas bordas traseiras dos side pods.

O maior golpe da Lotus para 1985 foi a contratação da estrela em ascensão Ayrton Senna, da equipe Toleman, para substituir o ex-piloto de equipe Nigel Mansell, que havia assinado com a Williams. Senna, o primeiro piloto contratado pela equipe desde a morte de Colin Chapman, fez parceria com o italiano Elio de Angelis, que terminou em terceiro no campeonato de pilotos da temporada anterior e teve muitos resultados promissores com o 95T.

O cockpit do monoposto

O 97T se mostrou competitivo durante a temporada, levando 8 poles, 7 com Senna e 1 com Angelis, e 3 vitórias. A primeira de Senna foi um brilhante desempenho no Grande Prêmio de Portugal, onde venceu com mais de um minuto de vantagem em condições de chuva. A segunda aconteceu no Grande Prêmio da Bélgica, em Spa, realizado em condições úmidas/secas. De Angelis somou uma terceira vitória (sua segunda e última vitória na F1, ambas para a Lotus) no Grande Prêmio de San Marino depois que o vencedor original Alain Prost ( McLaren ) foi desqualificado uma hora após a corrida terminar devido ao seu combustível McLaren – TAG sendo 2 kg abaixo do peso.

O inconfundível Lotus negro nº 12

O 97T, embora rápido, era mecanicamente não confiável. O carro tinha o melhor chassi de qualquer carro que competisse naquela temporada; também tinha a suspensão mais bem projetada daquele ano; embora sua aerodinâmica fosse inferior à do carro da McLaren naquele ano. Como resultado de ter o melhor chassi, teve o melhor desempenho em circuitos lentos e apertados como Mônaco, Montreal, Detroit e Adelaide, embora o motor Renault, apesar de suave e flexível, tivesse problemas de confiabilidade e queda de potência comparado aos concorrentes da BMW  e Honda, mas equilibrado com as unidades Ferrari e Porsche. Senna, em particular, teve uma série de azares no meio da temporada, incluindo um grande acidente no Grande Prêmio da França, em Paul Ricard, onde ele partiu a quase 320 km/h indo para a Courbe de Signes no final da reta Mistral de 1,8 km; e ele abandonou muitas vezes enquanto liderava, o que lhe custou uma chance de disputar o campeonato mundial. Eventualmente, a Lotus terminou em quarto no Campeonato de Construtores, embora empatada em pontos com Williams, que terminou em terceiro lugar devido ao seu maior número de vitórias em corridas.

Lotus 97T temporada 1985 de Fórmula 1

No total, o Lotus 97T marcou três vitórias, dois segundos lugares e quatro terceiros lugares. O carro também conseguiu oito pole positions e três voltas mais rápidas.

O carro marcou o início de um breve retorno aos dias de sucesso dos anos 1960 e 1970 para a Lotus, que foi continuado pela 98T de 1986 e do Honda 99T, de 1987.

O 97T de Senna foi adicionado ao Gran Turismo 6 de 2014, de maio como parte do novo recurso do jogo “Ayrton Senna Tribute” em duas texturas: a dourada (idêntica à do 97T de De Angelis além do número do piloto e nome) e uma decoração “Team Lotus Special” apenas no jogo (que foi usada em vez de “John Player Special” devido aos regulamentos de publicidade ao tabaco).

Estoril, Portugal 1985. A lendária primeira vitória de Senna na Fórmula 1

Com 540 quilos e uma distribuição de peso exemplar, o pequeno V6 foi posicionado milimetricamente atrás do cockpit de maneira que o turbocompressor recebesse todo o fluxo de ar da tomada direita e comprimisse o máximo de volume para as câmaras de compressão. A transmissão era do tipo trans-eixo – manual de cinco marchas, completava o conjunto mecânico.

Na pista

O 97T não era um carro sobrenatural, capaz de dar condições para a equipe defender o título de 1985. Senna fez sua estreia na Lotus do GP do Brasil, largando na segunda fila, na quarta posição. No entanto, uma falha elétrica tirou o brasileiro da prova na volta de número 48. Seu companheiro de equipe, o italiano Elio de Angelis, terminou em terceiro, atrás de da Ferrari de Michelle Alboreto e da McLaren de Alain Prost.

O Lotus 97T team Lotus

Na prova seguinte, em Estoril, Ayrton conseguiu a primeira vitória e voltaria a vencer novamente no GP da Bélgica, no lendário circuito de Spa-Francorchamps. A terceira vitória da Lotus, em 1985, foi na terceira etapa em San Marino, com Angelis.

Naquele ano, o carro traiu Senna por seis vezes e tirou seu companheiro em outras três, mas mesmo assim, a John Player Team Lotus terminou o ano em quarto lugar no ranking de construtores.

Lotus 97T
Categoria Fórmula Um
Construtor Lotus
Designer (es) Gérard Ducarouge

Martin Ogilvie

Antecessor 95T
Sucessor 98T
Especificações técnicas 
Chassi Monocoque de fibra de carbono
Suspensão (frente) Molas, pullrods, double wishbones
Suspensão (traseira) Molas, pullrods, double wishbones
Trilha do eixo Frente: 1.740 mm (69 pol) 

Traseira: 1.630 mm (64 pol)

Distância entre eixos 2.730 mm (107 pol.)
Motor Renault Gordini EF15B 1492 cc (91,0 Cu em) 90 ° V6  motor central, montado longitudinalmente
Transmissão Manual de 5 velocidades Lotus/Hewland
Peso 540 kg (1.190,5 lb)
Combustível Elf
Pneus Goodyear
História da Competição
Participantes notáveis John Player Team Lotus
Pilotos 11. Elio de AngelisItália12. Ayrton Senna Brasil
Estreia Grande Prêmio do Brasil de 1985
Corridas Vitórias Pódios Poles V. rápidas
16 3 9 8 3
Campeonato de Construtores 0
Campeonato de pilotos 0

Visão panorâmica do bólido

https://gran-turismo.fandom.com/wiki/Ayrton_Senna_LOTUS_97T_%2785

https://www.hojeemdia.com.br/primeiro-plano/hd-auto/lotus-97t-n%C3%A3o-foi-melhor-carro-mas-deu-%C3%A0-senna-a-primeira-vit%C3%B3ria-na-f1-1.395417
Patrocinador:

Rivalo Apostas Esportivas

Deixe uma Resposta