McLaren anuncia que não correrá GP da Austrália após funcionário testar positivo para Coronavírus

McLaren anuncia que não correrá GP da Austrália após funcionário testar positivo para Coronavírus

A situação do coronavírus atingiu um novo patamar no paddock da Fórmula 1 nesta quinta-feira. A McLaren confirmou que está fora do GP da Austrália após um dos membros da equipe ter testado positivo para o novo coronavírus.

O funcionário era um de cinco pessoas isoladas após apresentarem sintomas do Covid-19. O resultado do exame saiu na noite desta quinta (horário da Austrália) e confirmou a contaminação.

Em um comunicado divulgado em seguida, a McLaren confirmou a saída da etapa: “A McLaren Racing confirma nesta noite que está se retirando do GP da Austrália de 2020, após um dos funcionários da equipe testar positivo para o coronavírus. O membro foi testado e colocado em isolamento logo que começou a apresentar os sintomas e agora será tratado pelas autoridades locais”.

“A equipe estava preparada para essa situação e dá todo o apoio ao funcionário, que agora entrará em um período de quarentena. A equipe está cooperando com as autoridades locais na investigação e análise”.

“O CEO da McLaren, Zak Brown, e Andreas Seidl, chefe da equipe, informaram a F1 e a FIA da decisão. A decisão foi tomada com base na nossa função de cuidar não apenas da McLaren, seus funcionários e parceiros, mas também das demais equipes, fãs e envolvidos com a categoria”, conclui o comunicado.

As outras quatro pessoas em isolamento eram membros da Haas, mas a equipe americana confirmou que os testes dos quatro deram negativos.

A decisão da McLaren de se retirar do evento acompanha um momento de crescente frustração das equipes e pilotos sobre a difícil posição que eles foram colocados neste final de semana. Com os chefes da F1 determinados a realizar a etapa inaugural da temporada 2020, a preocupação no paddock cresce sobre os riscos que o esporte está tomando em meio a uma pandemia global.

O hexacampeão mundial Lewis Hamilton havia falado durante as entrevistas de quinta-feira que estava chocado com o fato da F1 ter mantido a realização da prova em Melbourne.

“Eu estou muito, muito surpreso por estarmos aqui”, disse Hamilton quando perguntado se ele estava confortável por estar no GP. “Acho ótimo termos corridas, mas para mim é chocante que estamos aqui, sentados nessa sala”.

Depois, quando perguntado sobre os motivos que levam a F1 a tentar ao máximo realizar a corrida, ele disse: “O dinheiro manda, mas honestamente não sei. Não posso acrescentar muito mais que isso”.

Outro veterano da categoria, Kimi Raikkonen também demonstrou preocupações com a realização da prova em Melbourne: “Não sei se é a melhor coisa nós estarmos aqui, provavelmente não. Mas, infelizmente, a decisão não é nossa. Se fosse uma decisão tomada pelas equipes, acredito que não estaríamos aqui hoje”.

Procurada para comentar sobre a situação e o futuro do Grande Prêmio, um porta-voz da Federação Internacional de Automobilismo disse: “No momento estamos analisando a situação e vamos fornecer uma atualização logo que possível”. Uma reunião entre os chefes das outras nove equipes da F1 está marcada para acontecer ainda hoje em Melbourne.

Há poucos dias, o diretor de esporte a motor da F1, Ross Brawn, havia deixado claro que, caso uma equipe não puder participar de um GP por não poder entrar em um país devido à restrições de viagens, a prova não poderia ser realizado, por não ser justo. Pelo menos não uma prova que valesse para o mundial.

Mas Brawn também havia advertido que, caso uma equipe opte por não participar da prova, a situação seria totalmente diferente. Resta saber em qual caso a F1 e a FIA enquadrará a saída da McLaren.

FIA, Fórmula 1 e Organização do GP se manifestam

Cerca de uma hora após o anúncio, a F1 divulgou um breve comunicado em suas redes sociais: “A Fórmula 1 e a FIA estão coordenando os próximos passos com as autoridades. Nossa prioridade é a segurança dos fãs, das equipes e de todas as pessoas envolvidas com a corrida”.

Em seguida, foi a vez da organização do GP da Austrália se manifestar: “A Australian Grand Prix Corporation (AGPC) e a Fórmula 1 foram avisadas pelo Ministério da Saúde de Vitória do resultado dos testes de oito pessoas do paddock. Desses oito, sete indivíduos tiveram resultados negativos para o Covid-19. Um oitavo indivíduo foi testado positivo. Foi confirmado que a pessoa era membro da equipe McLaren Racing. Com o resultado, a McLaren anunciou sua saída do GP da Austrália de Fórmula 1 2020″.

Fonte Motorsport

Patrocinador:

Deixe uma Resposta