Mesmo com diminuição de receita, F1 tem lucro em 2019; veja cifras

Segundo o CEO da Liberty Media, grupo proprietário da Fórmula 1, categoria vai “bater metas” neste ano

Dona da Fórmula 1, a Liberty Media afirma, por meio de seu CEO Greg Maffei, que a categoria máxima do automobilismo está “no caminho certo” para cumprir suas metas financeiras em 2019. A ‘garantia’ vem após queda de receita no terceiro trimestre em relação ao ano passado.

A Liberty atribui os números ao fato de que houve apenas sete corridas realizadas no período julho-setembro deste ano em comparação a 2018, já que o GP da Áustria de 2019 foi realizado em junho. “A F1 continua mostrando grande impulso e está a caminho de atingir as metas de 2019, beneficiando-se dos últimos dois anos”, observou Maffei ao divulgar os resultados financeiros trimestrais da Liberty.

A receita do terceiro trimestre caiu de US $ 647 milhões (cerca de R$ 2.688.479.100,00) para US $ 633 milhões (aproximadamente R$ 2.630.304.900,00), com a “receita primária” de hospedagem, transmissão e patrocínio caindo de US $ 560 milhões (perto de R$ 2.326.968.000,00) para US $ 553 milhões (cerca de R$ 2.297.880.900,00) e “outras receitas” caindo de US $ 87 milhões (aproximadamente R$ 361.511.100,00) para US $ 80 milhões (na casa dos R$ 332.424.000,00).

No entanto, devido aos custos reduzidos, o lucro operacional permaneceu estável, subindo ligeiramente de US $ 31 milhões (cerca de R$ 128.814.300,00) em 2018 para US $ 32 milhões (aproximadamente R$ 132.969.600,00) este ano, enquanto o EBITDA (lucro operacional antes da depreciação e amortização) caiu de US $ 156 milhões (perto dos R$ 648.226.800,00) para US $ 154 milhões (casa dos R$ 639.916.200,00).

A receita trimestral da F1 depende muito de quantas corridas são realizadas no período, pois afeta não apenas a receita da taxa de corrida, mas também as outras fontes de receita divididas entre os períodos do relatório, bem como a distribuição dos custos.

Os pagamentos das equipes também são impactados pelo calendário, com a receita total compartilhada pelas 10 equipes caindo de US $ 344 milhões (cerca de R$ 1.429.423.200,00) para US $ 335 milhões (aproximadamente R$ 1.429.423.200,00).

Curiosamente, a F1 também confirmou que uma das sete corridas pagou menos do que anteriormente, nos termos de um novo contrato. A Liberty observou: “A receita de promoção da corrida diminuiu devido a uma corrida a menos realizada no terceiro trimestre de 2019 e ao impacto dos termos de renovação de um contrato”.

“A receita de transmissão aumentou principalmente devido aos aumentos nas taxas contratuais. A receita de publicidade e patrocínio aumentou devido à receita de novos contratos de patrocínio. Outras receitas da F1 diminuíram no terceiro trimestre principalmente devido a uma corrida a menos realizada no terceiro trimestre de 2019 e a taxas de produção de televisão não recorrentes no período do ano anterior. ”

Em relação aos custos, Liberty acrescentou: “A receita operacional e o EBITDA ajustado aumentaram no terceiro trimestre, uma vez que o declínio da receita foi mais do que compensado pela redução de custos”.

Fonte Motorsport

Patrocinador:

Deixe uma Resposta