Nicola Larini

Publicidade:

 

Nicola Larini lutou com uma sucessão de equipes menos competitivas durante a maior parte do seu tempo na Fórmula 1. Quando ele finalmente conseguiu sua grande chance com a Ferrari e marcou o melhor resultado de sua carreira, essa conquista foi praticamente esquecida em um dos fins de semana mais sombrios da história do esporte.

Início da carreira em corridas

O italiano começou a competir na F-Itália em 1983 e terminou em terceiro no campeonato italiano de Fórmula Abarth na temporada seguinte. Ele também estreou na Fórmula 3 naquele ano e mostrando-se competitivo venceu o Campeonato Italiano de F3 de 1986 com um Enzo Coloni Racing Dallara F386-Alfa Romeo.

Estreia na Fórmula 1 com Coloni

A Coloni era uma equipe ambiciosa e Larini se beneficiou fazendo uma aparição única na Fórmula 3000 em Enna-Pergusa naquele ano se graduando para a F1 no Grande Prêmio da Itália de 1987. Ele não conseguiu qualificar seu Coloni FC187-Ford em Monza, mas Larini estreou no GP da Espanha em Jerez.

Ele mudou para a pequena equipe de Osella nas temporadas de 1988 e 1989 e brilhou numa ocasião – chegando ao terceiro inesperado no GP do Canadá em 1989, só para abandonar logo depois. Recompensado com uma mudança para Ligier em 1990, ele se mostrou consistente (terminando todas as provas, exceto três), embora não tenha marcado nenhum ponto durante toda a temporada. Em 1991 sofreu uma campanha terrível na F1 a bordo da novata, lenta e subfinanciada equipe Modena-Lamborghini. Foi sua última temporada completa em Grandes Prêmios.

Piloto de teste da Ferrari e sucesso em carros de turismo

Em vez de continuar lutando no lado errado da pista, Larini ingressou na Ferrari como piloto de testes em 1992 e foi recompensado com corridas nos dois últimos GPs da temporada, quando o decepcionante Ivan Capelli foi dispensado de suas funções. Naquela temporada Larini também iniciou sua bem-sucedida carreira em carros turismo na Alfa Romeo e venceu imediatamente o Campeonato Italiano antes de ir vencer o prestigioso título no DTM (Deutsche Tourenwagen Meisterschaft – o alemão de turismo) um ano depois.

Quando Jean Alesi foi ferido testando em Mugello no início de 1994, a Ferrari voltou a procurar Larini por alguns GPs. Ele bateu com Ayrton Senna logo após a largada no GP do Pacífico em Aida e terminou em um segundo lugar no trágico GP em Ímola; seus primeiros pontos em 44 tentativas foram totalmente ofuscados após a morte de Senna naquele dia.

Carreira subsequente

Larini estava de volta à F1 com a Sauber-Petronas no início de 1997 – a equipe renovou com os motores da Ferrari e contratou Larini como parte do pacote. Ele terminou em sexto na Austrália antes de deixar o time após cinco corridas acrimoniosas. Larini voltou aos carros de turismo e correu para a Alfa Romeo e depois para a Chevrolet nos Campeonatos Europe e no Mundial de Turismo de 2001 a 2009. Ele terminou como vice-campeão na ETCC de 2001 com um Nordauto-Alfa Romeo 156.

Deixe uma Resposta