Pedro Paulo Diniz

Publicidade:

Pedro Diniz trouxe um orçamento confortável e entusiasmo incansável para sua carreira de seis anos na Fórmula 1. Filho de um rico dono de uma rede de supermercados, Diniz se beneficiou da disposição dos fornecedores da rede de seu pai como possíveis patrocinadores.

Início da carreira de corrida

Ele se formou na Sud-Am Fórmula 3 em 1990, com apenas um ano de experiência na Fórmula Ford brasileira. Segundo na última rodada Sud-Am do ano, Diniz decidiu que suas ambições eram melhor atendidas no Campeonato Britânico de F3. Um 1991 errático com a West Surrey Racing foi seguido por uma temporada melhorada no Ralt RT36-Mugen da Edenbridge Racing, que incluiu o terceiro lugar em Thruxton e Brands Hatch em 1992.

Ainda inexperiente, mas tendo mostrado progresso, Diniz se graduou na Fórmula 3000 nas temporadas de 1993 e 1994 com um Forti Corse Reynard-Cosworth. Ele lutou inicialmente e cometeu erros cruciais quando bem colocado durante sua segunda temporada. Mas finalmente chegou à penúltima corrida de 1994, quando foi o quarto no Estoril – seu único placar no F3000 e bom o suficiente para o 12º lugar na classificação.

Fórmula 1 com Forti e Ligier

Diniz assinou um contrato de três anos com Forti e ajudou a financiar a formatura da equipe na F1 em 1995. Ele dirigiu com sensatez e até começou a superar seu experiente companheiro de equipe, Roberto Moreno. O sétimo no GP da Austrália foi o melhor resultado, mas, apesar dos compromissos de longo prazo, Diniz mudou-se para Ligier após apenas uma temporada. Seu carro ficou em chamas após uma parada no reabastecimento durante o GP da Argentina de 1996. O Ligier JS43-Mugen provou ser um bom chassi e Diniz terminou em sexto na Espanha e na Itália naquele ano.

Temporadas subsequentes com Arrows e Sauber

Quando Tom Walkinshaw comprou a Arrows, o brasileiro assinou como companheiro de equipe do campeão Damon Hill para a temporada de 1997. Ele classificou seu Arrows A18-Yamaha em oitavo na Bélgica e terminou em quinto em Nürburgring, depois de suportar a pressão de Olivier Panis nas últimas 30 voltas para marcar seu melhor resultado até hoje.

Ele repetiu esse resultado em Spa-Francorchamps em 1998, embora a segunda temporada com a equipe tenha sido prejudicada pela chegada tardia do Arrows A19 e por uma constante falta de confiabilidade. Diniz passou suas duas últimas temporadas de F1 com Sauber e é para o seu crédito que ele era agora um piloto número dois confiável. Ele sobreviveu a um espetacular capotagem no início do GP da Europa de 1999 em Nürburgring no seu Sauber C18-Petronas.

Sua última temporada como piloto de F1 chegou em 2000 quando Diniz tornou-se co-proprietário da Prost Grand Prix. No entanto, provou ser uma associação de curto prazo para Diniz já que ele se desentendeu com Alain Prost um ano depois, pouco antes de a equipe entrar em liquidação. Desde então, Pedro Diniz administrou os negócios da família e também participou da promoção da Fórmula Renault no Brasil.

Deixe uma Resposta