Pilotos campeões: conheça a trajetória de Alberto Ascari

Alberto Ascari foi um piloto italiano, nascido em Milão, no dia 13 de julho de 1918 e falecido em Monza, na Itália, em 26 de maio de 1955.

Patrocinador:

Rivalo Apostas Esportivas

Ascari foi duas vezes campeão da Fórmula 1 e uma das grandes estrelas que a Ferrari teve em sua história. Foi um piloto versátil, que competiu em corridas de motocicleta antes de mudar para carros. Ele foi o primeiro campeão mundial da equipe da Ferrari e o último italiano até hoje a conquistar o título. Ganhou também a Mille Miglia em 1954. Ascari foi reconhecido pela precisão e cuidado, que o fez um dos pilotos mais seguros em uma era mais perigosa. Permanece, junto com Michael Schumacher, como o único campeão mundial consecutivo de Ferrari, e é também o único campeão italiano da Ferrari.

Quando Alberto era criança, seu pai, Antonio, que também era um famoso piloto de corridas, morreu em um acidente no Grande Prêmio da França de 1925. Alberto admitiu uma vez que ele alertou seus filhos para não se tornarem extremamente próximos a ele por causa do risco envolvido em sua profissão. Isso foi comprovado quando morreu durante uma sessão de testes para a Scuderia Ferrari no Autodromo Nazionale Monza. Ascari era notoriamente supersticioso e fez um grande esforço para evitar ter o mesmo destino. Seu acidente fatal inexplicável – na mesma idade de seu pai, no mesmo dia do mês e em circunstâncias estranhamente semelhantes – continua sendo uma das grandes e trágicas coincidências da Fórmula 1.

Vida antes da Fórmula 1

Nascido em Milão, Ascari era filho de Antonio Ascari, um talentoso astro do automobilismo dos Grandes Prêmios na década de 1920, competindo com a Alfa Romeo. Antonio faleceu enquanto liderava o Grande Prêmio da França em 1925 no Autódromo de Linas-Montlhéry, mas o jovem Ascari tinha interesse em competir apesar de tudo. Tal era sua paixão em se tornar um piloto de corridas como seu pai, que duas vezes ele fugiu da escola.

Ele correu motocicletas nos primeiros anos. Com apenas 19 anos, Ascari foi contratado para montar o time de Bianchi. Foi depois que ele entrou na prestigiada Mille Miglia em um Auto Avio Costruzioni 815, fornecido por amigo íntimo de seu pai, Enzo Ferrari, em 1940, que finalmente começou a correr em quatro rodas regularmente.

Quando a Itália entrou na Segunda Guerra Mundial, a garagem da família, agora dirigida por Alberto, foi recrutada para servir e manter os veículos das forças armadas italianas. Foi durante esse período que ele estabeleceu um lucrativo negócio de transporte, fornecendo combustível para os depósitos do exército no norte da África.  Seu parceiro na empresa era um piloto de corrida, Luigi Villoresi. Como o negócio deles apoiava o esforço de guerra italiano, eles os isentaram de serem convocados durante a guerra.

Após o final da Segunda Guerra Mundial, Alberto Ascari começou a correr em Grandes Prêmios com o Maserati 4CLT.  Seu companheiro de equipe era Villoresi, que se tornaria um mentor, companheiro de equipe e amigo de Ascari. A dupla foi bem sucedida nos circuitos no norte da Itália.

Os regulamentos da Fórmula 1 foram introduzidos pela FIA em 1946, com o objetivo de substituir a estrutura do Grand Prix antes da guerra. Durante os próximos quatro anos de transição, Ascari esteve no topo do seu jogo, vencendo numerosos eventos por toda a Europa. Ganhou seu primeiro Grand Prix, o Grande Prêmio de San Remo em 1948 e ficou em segundo lugar no RAC International Grand Prix no mesmo ano, em Silverstone.

Alberto Ascari durante o Grande Prêmio da Argentina de 1949

Ascari ganhou outra corrida com a equipe no ano seguinte, o Grande Prêmio do General Juan Perón da Cidade de Buenos Aires. Seu maior sucesso foi quando ele e Villoresi assinaram com a Scuderia Ferrari. O chefe da equipe, Enzo Ferrari, tinha sido um grande amigo e companheiro de equipe de seu pai e tinha um grande interesse no sucesso de Alberto. Naquele ano, 1949, com a equipe da Ferrari e ganhou mais três corridas naquele ano.

 

 

 

 

 

 

Patrocinador:

Rivalo Apostas Esportivas

Fórmula 1

Temporada de 1950

A primeira temporada do Campeonato Mundial de Fórmula 1 aconteceu em 1950, e a equipe da Ferrari fez sua estreia em Monte Carlo, com Ascari, Villoresi e o famoso piloto francês Raymond Sommer no time. A equipe teve um ano misto: seu Tipo 125 sobrealimentado foi muito lento para desafiar a equipe dominante da Alfa Romeo, então a Ferrari começou a trabalhar em um carro de 4,5l. Grande parte do ano foi perdida quando o motor de dois litros da Fórmula 2 foi progressivamente ampliado, mas quando o 4,5L tipo 375 chegou ao Grande Prêmio de Itália (a etapa final do campeonato), Ascari deu à Alfa Romeo o seu mais severo desafio: após abandonar, assumiu o carro do companheiro de equipe Dorino Serafini para terminar em segundo. A nova Ferrari, em seguida, ganhou o Gran Premio do Penya Rhin, etapa não válida para o campeonato.

Temporada de 1951

Ao longo de 1951, Ascari foi uma ameaça para a equipe da Alfa Romeo, embora inicialmente ele sofresse pela falta de confiabilidade. No entanto, depois de vencer em Nürburgring e Monza, ficou apenas dois pontos atrás do Fangio na classificação do campeonato, antes do clímax do Grande Prêmio de Espanha. Ascari levou a pole position, mas uma desastrosa escolha de pneus para a corrida o fez ser incapaz de desafiar Fangio, voltando para casa em 4º, enquanto Juan Manuel Fangio venceu a corrida e o título.

Temporada de 1952

Alberto Ascari e seu companheiro de Ferrari Luigi Villoresi no GP da Itália de 1952

Para 1952, a Fórmula 1 correu com o regulamento da Fórmula 2 e Ascari pilotou o carro Tipo 500 da Ferrari. Ele perdeu a primeira corrida da temporada do campeonato quando estava se classificando para as 500 Milhas de Indianápolis, que na época era uma etapa da F1. Foi o único piloto europeu a correr em Indy nos 11 anos que fez parte do calendário, mas sua corrida terminou após 40 voltas sem causar muita impressão, como resultado do colapso da roda. Voltando à Europa, ele venceu as seis etapas restantes do campeonato para conquistar o título mundial (também conquistou cinco vitórias fora do campeonato) e registrando a volta mais rápida em cada corrida.  Ele marcou a quantidade máxima de pontos que um piloto poderia ganhar, já que apenas os quatro melhores de oito pontuações contavam para a pontuação final.

“Ao liderar, ele não poderia ser facilmente ultrapassado – na verdade, era praticamente impossível ultrapassá-lo.” – Enzo Ferrari

Temporada de 1953

Ele ganhou mais três corridas consecutivas no início da temporada de 1953, dando a ele nove vitórias consecutivas (sem contar a Indy) antes de sua série terminar com um quarto lugar na França. Apesar de ter ficado em quarto, a corrida foi altamente competitiva. Ele ganhou mais duas etapas no final do ano para conseguir seu segundo Campeonato Mundial consecutivo.

Temporada de 1954

Ascari em seu Lancia D50

Após uma disputa sobre seu salário, Ascari deixou a Ferrari no final da temporada e se mudou para Lancia para a campanha de 1954. No entanto, como seu carro não ficou pronto e acabou disputando duas corridas pela Maserati, onde compartilhou a volta mais rápida com outros 6 pilotos (José Froilán González, Mike Hawthorn, Onofre Marimón, Juan Manuel Fangio, Stirling Moss e Jean Behra) no Grande Prêmio da Grã-Bretenha e uma para Ferrari antes de correr pela Lancia na última etapa, na Espanha. Ascari, pelo menos, conseguiu ganhar a Mille Miglia naquele ano, dirigindo um esportivo Lancia, sobrevivendo ao clima terrível e ao rompimento de uma mola de aceleração, que foi temporariamente substituída por um elástico. Quando o Lancia D50 estava pronto, Ascari conquistou a pole position em sua estreia pela equipe e liderou (e estabeleceu a volta mais rápida) antes de abandonar com um problema de embreagem.

Temporada de 1955

Sua temporada de 1955 começou promissora, a Lancia tendo vitórias nas corridas extra-campeonato, em Turim e Nápoles, onde os Lancias assumiram e venceram a Mercedes até então dominante, embora na etapa de abertura ele abandonasse, no Grande Prêmio da Argentina.

No dia 22 de maio de 1955, no Grande Prêmio de Mônaco, já para o final da corrida quando ele caiu no porto, através de fardos de feno e sacos de areia depois de perder uma chicane enquanto liderava, supostamente distraído pela reação da multidão ao abandono de Stirling Moss. O que quer que o distraísse, ele se aproximou da chicane muito rápido, e escolheu a única saída e levou seu D50 através das barreiras para o mar, perdendo por pouco um pequeno poste de ferro do tamanho de um barril em cerca de 30 cm. Seu carro desapareceu no Mar Mediterrâneo e afundou, marcado apenas por uma mancha de óleo e um fluxo de bolhas e vapor. Três segundos se passaram antes que o capacete azul-claro de Ascari aparecesse na superfície.  Ele foi arrastado para dentro de um barco e escapou com o nariz quebrado. Acaba assim sua última participação na Fórmula 1.

Morte

Curva do acidente fatal de Alberto Ascari, mais tarde batizada com seu nome e virou mais tarde a atual Variante Ascari

Apenas quatro dias depois, em 26 de maio, ele foi a Monza para ver seu amigo Eugenio Castellotti treinar em um carro esporte, a Ferrari 750 Monza. Eles iriam co-pilotar o carro nos 1000 km de Monza, tendo sido dispensados ​​pela Lancia. Ascari não deveria dirigir naquele dia, mas decidiu tentar algumas voltas. Com seu paletó e gravata, mangas de camisa, calças comuns e o capacete branco de Castellotti ele partiu. Quando saiu de uma curva rápida na terceira volta, o carro escorregou inexplicavelmente, virou o nariz e deu duas cambalhotas. Jogado na pista, Ascari sofreu vários ferimentos e morreu alguns minutos depois. O acidente ocorreu na Curva del Vialone, um dos mais desafiantes trechos, de alta velocidade da pista. A curva onde ocorreu o acidente foi renomeada em sua homenagem, posteriormente substituído por uma chicane, agora chamada de Variante Ascari.

Houve várias semelhanças entre as mortes de Alberto e seu pai. Alberto Ascari morreu em 26 de maio de 1955, aos 36 anos de idade. Antonio Ascari também tinha 36 anos quando morreu, em 26 de julho de 1925. Ambos foram mortos quatro dias depois de sobreviverem a acidentes graves e no dia 26 do mês. Ambos haviam caído fatalmente na saída de curvas rápidas do lado esquerdo e ambos deixaram para trás uma esposa e dois filhos. Além disso, ambos haviam vencido 13 Grand Prix em campeonatos. Outra curiosidade relacionada à morte de Alberto é que o único outro piloto a cair no porto de Mônaco na história do circuito, Paul Hawkins, também morreu em 26 de maio. Hawkins caiu no porto 10 anos depois de Ascari, antes de morrer quando seu Lola bateu em uma árvore em uma corrida de Troféu Turístico no Oulton Park em 1969.

Os fãs de automobilismo de todo o mundo lamentaram a morte de Alberto Ascari ao lado do túmulo de seu pai no Cimitero Monumentale, em Milão, para sempre ser lembrado como um dos maiores pilotos de todos os tempos. Sua perturbada esposa Mietta Ascari disse a Enzo Ferrari que “se não fosse por seus filhos, ela teria prazer em se juntar a seu amado Alberto no céu”. Sua morte é muitas vezes considerada um fator contribuinte para a retirada da Lancia do automobilismo em 1955, apenas três dias depois de seu funeral (embora a empresa também estivesse com problemas financeiros consideráveis, precisando de um subsídio do governo para sobreviver), entregando sua equipe, pilotos, carros e peças de reposição para Enzo Ferrari.

Homenagens

Uma rua em Roma foi nomeada em sua homenagem, enquanto os Autodromo Nazionale Monza e o Autódromo Oscar Alfredo Gálvez têm chicanes em sua homenagem. Em 1992 ele foi introduzido no Hall da Fama do Automobilismo Internacional. O fabricante britânico de carros de luxo Ascari Cars é nomeado em sua homenagem.

A lenda do automobilismo americano nascido na Itália, Mario Andretti, conta com Ascari como um de seus heróis de corrida, tendo assistido a ele no circuito de Monza em sua juventude.

Patrocinador:

Rivalo Apostas Esportivas

Deixe uma Resposta