Pilotos campeões: conheça a trajetória de Phil Hill

Philip Toll Hill Jr., mais conhecido como Phil Hill, foi um piloto norte americano, nascido em Miami, no dia 20 de abril de 1927 e falecido em Salinas, nos Estados Unidos, em 28 de agosto de 2008.

Patrocinador:

Rivalo Apostas Esportivas

Phil Hill foi o primeiro piloto norte americano campeão da Fórmula 1, sendo coroado no ano de 1961 e até hoje o único nascido nos Estados Unidos a conquistar o Mundial, já que Mario Andretti, campeão em 1978, correu pela bandeira americana mas nasceu na Itália.

Hill também conquistou três vitórias nas 24 horas de Le Mans e 12 horas de Sebring.

Phil Hill com a Ferrri 250 em que venceu as 12 Horas de Sebring de 1959

Carreira

Hill estudou administração de empresas na Universidade do Sul da Califórnia de 1945 a 1947, onde foi membro da fraternidade Kappa Sigma. Hill saiu para perseguir o automobilismo, trabalhando como mecânico em carros de outros pilotos. Começou a pilotar muito cedo, indo para a Inglaterra como trainee da Jaguar em 1949 e assinando com a equipe de Enzo Ferrari em 1956.

Temporada de 1958

Fez sua estreia no Grande Prêmio da França, em Reims, França, em 1958, dirigindo um Maserati. Este GP marcou a despedida de outro campeão da categoria e por 44 anos o maior vencedor, o argentino Juan Manuel Fangio. Terminou a corrida em um bom sétimo lugar, uma volta atrás do campeão daquele ano, Mike Hawthorn.

Naquele mesmo ano, junto com o companheiro de equipe, o belga Olivier Gendebien, Hill se tornou o primeiro vencedor americano das 24 Horas de Le Mans, com Hill dirigindo a maior parte da noite em condições chuvosas horríveis. Ele e Gendebien viriam a ganhar a famosa corrida de resistência novamente em 1961 e 1962.

Temporada de 1959

Hill começou a pilotar em tempo integral para a equipe Ferrari em 1959. Conquistou três pódios na temporada, com um segundo lugar no GP da França, palco de sua estreia um ano antes, um terceiro lugar no GP da Alemanha e mais um segundo lugar no GP da Itália, esta ainda ganhando mais um ponto adicional por ter feito a volta mais rápida da corrida. No final do ano ficou em quarto lugar no Campeonato de Pilotos.

Temporada de 1960

Em 1960, venceu o Grande Prêmio da Itália, em Monza, sendo a primeira vitória em um Grande Prêmio de um piloto americano em quase quarenta anos, desde que Jimmy Murphy venceu o Grande Prêmio da França de 1921. Esta também acabou sendo a última vitória de um carro com motor dianteiro na Fórmula 1. Esta prova marcou um pódio totalmente ferrarista, com Richie Ginther e Willy Mairesse chegando em segundo e terceiro, respectivamente.

Conquistou ainda um terceiro lugar no GP de Mônaco e na sua corrida caseira terminou em sexto lugar, uma posição abaixo da zona de pontuação, mas fez a volta mais rápida da prova e levou um ponto.

Temporada de 1961

Na temporada de 1961, Hill iniciou a temporada com um terceiro lugar no GP de Mônaco e sendo também segundo nos GPs da Holanda e Grã-Bretanha, terceiro no GP da Alemanha e conquistando a vitória nos Grande Prêmio da Bélgica e com um abandono, apenas seu companheiro de equipe, o alemão Wolfgang von Trips, poderia também ser campeão. Um acidente no início do GP da Itália matou von Trips e quatorze espectadores. Hill venceu a corrida e conquistou o campeonato, mas o triunfo foi ofuscado pela perda de seu companheiro.

A decisão de Ferrari de não viajar para os Estados Unidos na última rodada da temporada privou Hill da oportunidade de participar de sua corrida em casa, em Watkins Glen, como o recém-coroado Campeão Mundial. Quando voltou para a temporada seguinte, sua última com a Ferrari, Hill disse: “Eu não tenho mais tanta necessidade de correr, de vencer. Eu não tenho mais tanta fome. Eu não estou mais disposto a me arriscar a me matar”.

Temporada de 1962

Phil Hill com sua Ferrari no Grande Prêmio da Alemanha de 1962

A temporada de 1962 não permitiu a Hill defender seu título, conquistado por seu xará inglês Graham Hill. Terminou em uma modesta sexta colocação no final daquele ano. Iniciou o campeonato subindo no pódio com um terceiro lugar na Holanda e um segundo em Mônaco e outro terceiro na Bélgica, levando a crer que poderia disputar mais uma vez o título. Porém não correu nos GPs da França e nos dois últimos da temporada, nos Estados Unidos e da África do Sul. Ainda abandonou na Grã-Bretanha e na Alemanha e acabou em um distante décimo primeiro lugar na Itália. No final do ano deixou a equipe da Ferrari.

 

 

 

 

Temporada de 1963

Depois de deixar a Ferrari no final de 1962, ele e seu companheiro na Ferrari Giancarlo Baghetti partiram para a nova equipe ATS, criada por ex-engenheiros da Ferrari na grande caminhada de 1961. A equipe participou apenas de 5 provas, com os melhores resultados no GP da Itália, onde Hill foi décimo primeiro e Giancarlo Baghetti terminou em décimo quinto.

Temporada de 1964

Em 1964 Hill continuou na Fórmula 1, pilotando para a Cooper Formula One Team antes de se aposentar no final da temporada e se limitando a corridas de carros esportivos com a Ford Motor Company e os carros Chaparral, de Jim Hall. Neste ano abandonou seis corridas, foi oitavo na Holanda, sétimo na França, conquistou um ponto pela volta mais rápida da prova na Grã-Bretanha e ainda não correu na Itália, acabando o campeonato com apenas um ponto, na vigésima colocação.

Patrocinador:

Rivalo Apostas Esportivas

Carreira Pós-F1

Durante a temporada de Fórmula 1 de 1966, Hill frequentemente participava de fins de semana de corrida ao volante de um protótipo de um Ford GT40, acompanhado por uma câmera Panasonic de controle remoto para produzir imagens para o filme Grand Prix. Na mesma temporada, ele entrou em sua última corrida de Fórmula 1, o Grande Prêmio da Itália, em Monza, correndo pela All American Racers, de seu compatriota Dan Gurney, mas não conseguiu se classificar. Hill retirou-se completamente das corridas em 1967.

Hill tem a distinção de ter vencido o primeiro (um evento de três voltas no Carrell Speedway em um MG TC em 24 de julho de 1949) e as últimas corridas de sua carreira, a vitória final dirigindo pela Chaparral no BOAC 500, em Brands Hatch, Inglaterra, em 1967.

Hill também pilotou um MG experimental, o EX-181, em Bonneville Salt Flats. O “Roaring Raindrop” tinha um motor MGA supercharged de 91 polegadas cúbicas (1,5 L), usando 86% de metanol com nitrobenzeno, acetona e éter sulfúrico, para uma potência de 290 HP. Em 1959 Hill alcançou 257 mph neste carro, quebrando o recorde anterior de Stirling Moss no mesmo carro, 246 mph.

Aposentadoria

Após sua aposentadoria, Hill construiu um premiado negócio de restauração de carros clássicos na década de 1970, chamado Hill & Vaughn, com o sócio Ken Vaughn, até que eles venderam a parceria para a Jordanian Raja Gargour e Vaughn passou a administrar um negócio separado por conta própria. Hill permaneceu com Gargour na Hill & Vaughn até a venda do negócio novamente em 1995. Também trabalhou como comentarista de televisão para o Wide World of Sports da ABC.

Hill tinha uma associação longa e distinta com a revista Road & Track. Escreveu vários artigos para a revista, incluindo testes de estrada e artigos retrospectivos sobre carros e corridas históricas. Compartilhou seu status de “grande velhote” na R & T com o rival de corrida da década de 1960, Paul Frère, que também morreu em 2008.

Em seus últimos anos, dedicou seu tempo à sua coleção de carros antigos e julgou no Pebble Beach Concours d’Elegance com mais frequência do que qualquer outro indivíduo; 2007 foi a 40ª vez que ele julgou o evento.

Hill era casado com Alma e tinha três filhos: Derek, Vanessa e Jennifer. Derek correu na International Formula 3000 em 2001, 2002 e 2003, mas foi forçado a se aposentar quando Phil ficou doente, o Mal de Parkinson.

Morte

Depois de viajar para as Corridas Históricas de Automóveis de Monterey, em agosto de 2008, Hill foi levado ao Hospital Comunitário da Península de Monterey, Califórnia, onde morreu em 28 de agosto depois de uma curta doença de complicações da doença de Parkinson.

Prêmios

Em 1991, foi introduzido no Hall da Fama do automobilismo internacional. Também foi introduzido no Salão da Fama dos Estados Unidos da Motorsports como o único piloto de carros esportivos na classe inaugural de 1989.

Patrocinador:

Rivalo Apostas Esportivas

Deixe uma Resposta