Pirelli conclui que o uso exagerado dos pneus pelas equipes foi responsável por show de furos no final da corrida

O emocionante GP de Silverstone contou com calorosas surpresas nas últimas voltas da corrida. Carlos Sainz, Valtteri Bottas e Kimi Räikkönen, viram seus resultados na corrida de esvaindo pelos dedos ao sofrerem com furos nos pneus. Lewis Hamilton com apenas 3 pneus, batalhou com o carro para cruzar a linha de chegada e garantir mais uma vitória em casa.

Após a corrida, a Pirelli, fornecedora de pneus na Fórmula 1, deu início a uma investigação para apurar as reais causas do show de pneus destruídos nas últimas voltas. A pista de Silverstone é de alta abrasividade e conhecida pela alto consumo dos pneus.

A Pirelli concluiu que, as equipes utilizaram estratégias demasiadamente agressivas, o que resultou em estouros de pneus nas últimas voltas. A maioria do grid fez apenas uma parada na volta 12 e 13, por conta do forte acidente de Daniil Kvyat que causou uma segunda entrada do safety car na corrida.

Pneus usados no GP da Inglaterra de 2020 — Foto: Reprodução

Após o fim da corrida, a Pirelli cogitou levar para o GP dos 70 anos, pneus com composições mais duras, mas a mesma voltou atrás e levará para a próxima etapa pneus de composições mais macias. Os pneus C1, C2 e C3 foram o que estiveram no GP de Silverstone. Para a etapa dos 70 anos da F1, os pneus C2, C3 e C4 sendo uma composição mais macia.

Patrocinador:

Deixe uma Resposta