Tyrrell-Ford – temporada 1973

O monoposto n°5

A temporada 1973 de Fórmula 1 teve novamente o embate em as britânicas equipes Lotus e Tyrrell. Se em 1972 a Lotus foi campeã de construtores e pilotos, com Emerson Fittipaldi, em 1973 o escocês Jackie Stewart, o grande rival de Emerson conseguiu conquistar o título de piloto campeão mundial; no entanto, o time de Ken Tyrrel não conseguiu superar a escuderia de Colin Chapman – que venceu o mundial de construtores – ficando com o vice-campeonato.

A Elf Team Tyrrell usou os modelos 005 e 006, Ford Cosworth DFV 3.0 V8, conduzidos pelo escocês Jackie Stewart, pelo francês François Cevert e pelo neozelandês Chris Amon.

O primeiro Tyrrell 006 foi preparado para François Cevert

A equipe Tyrrell teve sucesso no início dos anos 70. A equipe britânica estava entre as melhores do campeonato e em 1971 venceu o título de construtores, principalmente graças a Jackie Stewart. No ano seguinte, a Tyrrell foi a segunda na classificação e o mesmo resultado foi alcançado um ano depois.

Os carros da equipe sempre foram rápidos, confiáveis ​​e bem ajustados. O mesmo foi o com o Tyrrell 006, introduzido no final de 1972. O piloto francês François Cevert levou-o nas duas últimas corridas da temporada, enquanto Stewart permaneceu no antigo 005. Depois de abandonar o Grande Prêmio do Canadá, Cevert terminou em segundo em 1972.

Nova abordagem no design

O bólido esquematizado

O novo carro era robusto, mas leve. O designer Derek Gardner usou muitos elementos dos carros existentes, incluindo o Lotus 72, que era um carro muito competitivo. A mudança mais óbvia foi o design angular do chassi monocoque, com laterais em ambos os lados do chassi e com radiadores de água no nariz do carro. Outras características notáveis ​​foram os freios dianteiros e traseiros montados na parte interna, mas Gardner e Stewart não estavam completamente felizes com eles.

Equipe campeã

Curiosamente, Jackie Stewart dirigiu o Tyrrell 006 pela primeira vez na 3ª corrida de 1973, o Grande Prêmio da África do Sul e a estreia foi perfeita quando venceu a corrida. Nas duas primeiras corridas da temporada, Cevert foi segundo na Argentina, mas no Brasil, ele terminou em 10° lugar.

A maior parte do ano foi muito boa para a Tyrrell, mesmo depois de a equipe ter falhado em um esforço para vencer o campeonato de Construtores. No entanto, o segundo lugar, atrás do Lotus, ainda foi um bom resultado. Por outro lado, Jackie Stewart estava quase imparável a caminho de seu terceiro e último título.

Jackie Stewart

Depois de vencer o Grande Prêmio da África do Sul, o piloto marcou outras quatro vitórias (Bélgica, Mônaco, Holanda, Alemanha) e não marcou pontos apenas duas vezes. Ao mesmo tempo, Cevert também fez um bom trabalho ao terminar em segundo lugar em seis corridas (Espanha, Bélgica, França, Holanda, Alemanha).

Final triste do ano apesar do triunfo de Stewart

Stewart seguido por Cevert

O Grande Prêmio dos EUA foi a última corrida da temporada. Stewart já tinha garantido o título, enquanto o novo chassi foi construído para Cevert, que caiu mais cedo no Grande Prêmio do Canadá. Infelizmente, o novo chassi foi usado apenas uma vez após Cevert ter batido fatalmente durante uma sessão de treinos para a corrida em Watkins Glen.

Stewart ficou completamente devastado após a morte de seu companheiro de equipe e bom amigo e decidiu ficar de fora da última corrida do ano. Na verdade, foi o fim da carreira do escocês que perdeu o que seria seu 100° Grand Prix. No entanto, Stewart disse que decidira encerrar sua carreira antes mesmo do início da campanha de 1973.

François Cevert

Mais algumas corridas para o Tyrrell 006

A equipe foi desmontada antes do início da temporada de 1974. Ken Tyrrell ficou sem os pilotos de sua equipe e o novo carro não estava preparado. É por isso que Jody Scheckter pilotou o 006 de Stewart nas três primeiras corridas do ano, enquanto Patrick Depailler o usou isso como um substituto após a falta do 007 em outras três corridas.

Os resultados do Tyrrell 006 são – cinco vitórias em 23 corridas, todas com Jackie Stewart, um total de 14 pódios, três pole positions e duas voltas mais rápidas. No entanto, é lembrado como um bom exemplo do clássico carro britânico de Grand Prix.

Ao fim da temporada Stewart teve 8 pódios, sendo 5 vitórias, 2 segundos lugares e 1 terceiro, enquanto Emerson, o vice-campeão também teve 8 pódios, com 3 vitórias, 3 segundos lugares e 2 terceiros lugares.

Protótipo de 1973

Os modelos 005 e 006 foram construídos pela Tyrrell Racing Organisation.
Projetista: Derek Gardner.

Especificações técnicas:

Chassi: monocoque de alumínio

Suspensão dianteira: Double wishbones, bobinas sobre amortecedores, barra anti-roll, molas helicoidais

Suspensão traseira: ligações superiores simples, ligações inferiores gêmeas, braços rebocadores duplos, molas helicoidais sobre amortecedores, barra estabilizadora

Distância entre eixos / Pista (dianteira / traseira): 2.386 mm / 1.590 mm / 1.590 mm

Motor: Ford-Cosworth DFV, 2.993 cc, V8 90 graus, montado no meio, naturalmente aspirado

Potência: 450 cv à 10.000 rpm

Transmissão: Hewland FG400 diferencial manual de 5 velocidades ZF

Freios: discos internos ventilados para todos os lados

Peso: 578 kg

Combustível: Elf

Pneus: Goodyear

Fontes:

https://www.formula1.com/en/results.html/1973/team/tyrrell_ford.html

http://www.constructorsf1.com/en/clanky/tyrrell-ford-153.htm

https://www.f1technical.net/f1db/cars/299/tyrrell-005

https://www.f1technical.net/f1db/cars/300/tyrrell-006

http://www.corridadeformula1.com/temporada/1973

https://en.m.wikipedia.org/wiki/1973_Formula_One_season

https://en.m.wikipedia.org/wiki/Tyrrell_005

https://en.m.wikipedia.org/wiki/Tyrrell_006

Patrocinador:

Deixe uma Resposta