Perfil do Piloto

Damon Hill

Brabham, Williams, Arrows e Jordan

País :Inglaterra
Cidade :Hampstead
Idade :17/09/60 (58 anos)
Altura :
  • 1 (1996)Campeonatos
  • 122 (115 largadas)Corridas
  • 22Vitórias
  • 20Pole Positions
  • 19Voltas Rápidas
  • 42Pódios
  • 16 Outubro 2018Atualizado

Damon_Hill

Biografia

Damon Hill chegou tardiamente à Fórmula 1 depois de uma carreira anterior em corridas de motocicleta, não fazendo sua estreia até 1984. Ele lentamente subiu pela Fórmula 3 e Fórmula 3000, mostrando velocidade ocasionalmente. Em 1992, aos 31 anos de idade (mais dois em relação ao seu pai), Hill substituiu a italiana Giovanna Amati na equipe Brabham em total decadência. Com um carro que só tinha condições de fechar o grid e com muitas dificuldades financeiras, o piloto inglês conseguiu alinhar em dois GPs: Grã-Bretanha em Silverstone e Hungria em Hungaroring — (acabou sendo a última corrida da equipe na categoria). Hill também foi piloto de testes para a dominante equipe Williams-Renault e quando seu compatriota Nigel Mansell finalmente ganhou o campeonato daquele ano e deixou a equipe para pilotar na CART no ano seguinte. Com isso, em 1993, Hill foi promovido para piloto titular tendo como companheiro de equipe o francês Alain Prost. No Grande Prêmio da Alemanha, Hill tinha tudo para vencer a primeira prova na categoria, mas faltando duas voltas para o final, um furo lento no pneu traseiro esquerdo impediu que a primeira vitória acontecesse, mas na prova seguinte, no Grande Prêmio da Hungria, com os problemas de Prost: o motor apagou-se antes dele fazer a volta de aquecimento e teve que largar na última fila e para piorar uma vibração forte na asa traseira durante a prova, que os mecânicos tiveram que fazer o reparo e com isso perdeu muito tempo e mais os abandonos de Senna e Schumacher, Damon Hill finalmente conseguiu vencê-la. Após 24 anos e quase 3 meses, ele se tornou o primeiro piloto filho de um campeão de Fórmula 1 a também vencer assim como seu pai Graham Hill que conquistou a última vitória no Grande Prêmio de Mônaco de 1969. Após essa, o piloto inglês venceria duas provas seguidas: Bélgica e Itália. Com isso, ele chegou a vice colocação no campeonato. Contudo, ele perdeu essa colocação para Senna nas últimas duas provas, em que o brasileiro conquistou as últimas duas vitórias de sua vida. Num carro competitivo, terminou em 3º lugar com 69 pontos.

Em 1994, com o novo patrocínio da Rothmans, ele foi companheiro de Ayrton Senna, e após o falecimento do tricampeão brasileiro no GP de San Marino, Hill tornou-se o primeiro piloto da escuderia. Parecia que Michael Schumacher iria faturar o campeonato com muita antecedência, mas Hill veio para o páreo pelo título após o piloto alemão ser desclassificado no Grande Prêmio da Grã-Bretanha (por ultrapassar com Safety car na volta de aquecimento e ignorar a punição) e banido por duas corridas (por ignorar a bandeira preta). O piloto inglês da Williams seria também beneficiado com a desclassificação do seu rival após a corrida no Grande Prêmio da Bélgica, porque os comissários descobriram um desgaste anormal no assoalho da madeira no Benetton número 5. Este tinha 7,5 milímetros de espessura, bem abaixo dos 9 mm permitidos em desgaste, já que essa tábua tem 10 mm de espessura, quando montado nos carros.[carece de fontes?] Com tudo isso, mais a ausência de Schumacher nos GPs: Itália e Portugal, Hill marcava 40 pontos e ia para a as últimas corridas para ganhar o campeonato. Na última etapa, em Adelaide, na Austrália, Hill estava 1 ponto atrás dele, e com grandes chances de conquistar o campeonato. Na 36ª volta, Schumacher, o líder da prova, abriu demasiado a curva e despistou-se, tocando no muro do circuito; o piloto alemão conseguiu voltar à pista e quando ia ser ultrapassado por Hill que vinha logo atrás, o piloto do Benetton número 5 não teve dúvidas e jogou o seu carro contra o Williams do inglês, para que o filho de Graham não fizesse a curva seguinte na frente dele. Com o abandono de Schumacher, Hill continuou na pista, mas com dificuldades para conduzir seu carro. O piloto conseguiu levá-lo até os boxes, mas os mecânicos da sua equipe não puderam fazer o conserto, porque com a colisão, o Williams número 0 teve a suspensão dianteira esquerda prensada e o piloto não conseguia realizar o movimento completo do volante. Sem condições de retornar ao circuito, Hill deixou o cockpit e foi para o fundo do boxe da equipe sentindo a perda do título que lhe escapou em suas mãos. Fechou com o vice-campeonato marcando 91 pontos.

Em 1995, Hill ficou novamente com o vice e os 69 pontos quando pela segunda vez consecutiva, Schumacher ganhou o título.

O título

Em 1996, ainda competindo pela Williams, Hill sagrou-se campeão mundial com 97 pontos, vencendo o companheiro de escuderia, o canadense Jacques Villeneuve (em seu primeiro ano na Fórmula 1) e a Ferrari de Schumacher, e se tornou o primeiro filho de campeão de Fórmula 1 a vencer um campeonato (seu pai, Graham Hill, havia sido campeão mundial em 1962 e 1968). Em 28 de agosto, Frank Williams anunciou que Damon Hill não pilotaria mais para a equipe, e sendo assim Damon Hill assinou com a equipe Arrows para a temporada de 1997.

GP memorável

O Grande Prêmio da Hungria quem chamou a atenção, não foi nem o canadense Jacques Villeneuve nem o alemão Michael Schumacher, que disputavam o campeonato palmo a palmo, mas sim, Damon Hill na surpreendente Arrows com pneus Bridgestone perfeitamente adaptados para a pista da Hungria. O piloto inglês, campeão do ano anterior, largou bem e deixou para trás a Williams número 3 de Villeneuve e pulava para a segunda posição. O piloto da Arrows número 1 não deixava a Ferrari número 5 do alemão ir embora. Na 10ª volta, no final da reta dos boxes, Hill consegue ultrapassá-lo e contorna a curva à frente dele e assumia a ponta da prova. O inglês liderou por 80% a corrida e tinha acumulado mais de 30 segundos de vantagem sobre Villeneuve, mas faltando três voltas, Hill fala com sua equipe pelo rádio que o acelerador não estava funcionando direito. Depois as marchas começaram a não entrar. Era um problema hidráulico... O filho de Graham tentava desesperadamente se manter na pista, mas ele perdia 10 segundos por volta. No início da última volta, Hill já podia vê-lo pelos retrovisores. No desespero de perder a primeira vitória da equipe, do motor Yamaha e dos pneus Bridgestone, ele balançava o carro de um lado para o outro para que pelo menos o acelerador e o câmbio funcionasse razoavelmente bem e não perdesse muito tempo. Com essa manobra perigosa, Villeneuve não teve alternativas a não ser colocar metade do seu carro na grama para superá-lo.[carece de fontes?] Com a perda da inédita vitória, o piloto inglês da Arrows foi se arrastando no circuito húngaro e conseguiu terminar em 2º lugar. Nos boxes, Tom Walkinshaw chorava, os mecânicos não sabiam se faziam o mesmo ou sorriam de felicidade pela grande atuação do seu piloto, que era o mais festejado no podium e antes dele e mesmo com a grande injustiça sofrida, Hill ainda comemorou o segundo lugar. "Eu estou impressionado por ter chegado até o fim. Estou feliz em ser segundo, mas há uma mistura de emoções."

Em sua nova equipe, o piloto fez uma boa temporada com um carro claramente inferior. A sua grande atuação ficou aí terminando em 12º lugar com 7 pontos.

Final de Carreira na F1

Apesar da corrida na Hungria, estava claro que a Arrows não poderia dar-lhe o nível de competitividade de que precisava. Hill, então, competiu as duas temporadas seguintes pela Jordan, conseguindo a primeira vitória e com dobradinha da equipe, com Ralf Schumacher em segundo, no memorável Grande Prêmio da Bélgica de 1998. Ficou em 6º com 20 pontos.

Ele se aposentou da Fórmula 1 após uma má temporada em 1999. Sua carreira inclui 22 vitórias em Grandes Prêmios pela Williams e pela Jordan. Hill foi premiado com o BBC Sports Personality of the Year duas vezes, em 1994 e 1996, uma das três únicas pessoas a realizar essa façanha. Encerrou a carreira na categoria em 12º lugar com 7 pontos.

Depois da F1

Damon é casado com Georgie e eles têm quatro filhos: Oliver, Joshua, Tabitha e Rosie. Oliver nasceu com Síndrome de Down e Damon e Georgie são ambos ativos colaboradores com campanhas de caridade para portadores deste problema.

Após sua aposentadoria, o ex-piloto está envolvido com negócios e contribui com muitos artigos para revistas de automobilismo. Em 2005 ele chegou a testar um carro da GP2 Series. Ele, entretanto, descarta uma volta às corridas.

Damon além de pilotar, também mostra que tem algum talento com a guitarra, chegando a gravar uma participação especial num disco da banda Def Leppard, em 1999.