Perfil do Piloto

Daniel Ricciardo

3 Renault

País :Austrália
Cidade :Perth
Idade :29 anos -01/07/1989
Altura :1,80m
  • NenhumCampeonatos
  • 150 (150 largadas)Corridas
  • 7Vitórias
  • 3Pole Positions
  • 13Voltas Rápidas
  • 29Pódios
  • 04 de fevereiro de 2019Atualizado

Daniel_Ricciardo

Fórmula 1

Ricciardo estreou atrás do volante de um Fórmula 1 quando fez um teste pela Red Bull Racing durante o teste de jovens pilotos no Circuito de Jerez por três dias de 1 a 3 de dezembro de 2009. Ao fim do último dia de testes ele havia marcado o melhor tempo por um segundo de diferença. Christian Horner, chefe da Red Bull Racing sugeriu que Daniel se juntasse a Hartley, que foi seu parceiro na temporada de 2010 da Wold Series, como piloto de testes e piloto reserva da equipe. Assim que isso foi oficializado Ricciardo e Hartley passaram a dividir o cargo de piloto de testes e reserva, ambos para a Red Bull e a equipe irmã Scuderia Toro Rosso até que Hartley foi transferido para o time Red Bull Junior.

A 11 de novembro de 2010, Ricciardo foi confirmado como o único piloto a representar a Red Bull no teste de jovens pilotos ao final da temporada no Circuito de Yas Marina nos dias 16 e 17 de novembro. O piloto voltou a mostrar seu talento para voltas rápidas cominando o evento, sua volta mais veloz foi 1.3 segundos mais rápida que a do campeão mundial de Fórmula 1 em 2010, Sebastian Vettel, no classificatório no sábado anterior. Alguns dias após essa sessão, Ricciardo foi confirmado como piloto de testes e piloto reserva da Toro Rosso para a temporada de 2011, e pilotaria o carro no primeiro treino livre em todos os Grandes Prêmios. Ricciardo também faria uma aparição em testes de pré-temporada para a temporada de Fórmula Um de 2011, dirigindo para a Scuderia Toro Rosso.

No Grande Prêmio da Austrália de 2011 Daniel classificou-se em 16º na tabela de tempos depois de abrir o teste, apenas um décimo mais lento do que o seu experiente companheiro de equipe Toro Rosso Sebastien Buemi.

HRT

Em 30 de Junho de 2011, Ricciardo foi contratado pela equipe Hispania Racing Team, substituindo Narain Karthikeyan para todas as corridas restantes da temporada de 2011, exceto o GP da Índia, para permitir que Karthikeyan pudesse correr em casa. O australiano estreou no Grande Prêmio da Grã-Bretanha de 2011 em Silverstone.

Apesar disso, alguns dias antes da primeira corrida na Índia, a corrida em que Karthikeyan voltaria ao seu lugar de origem, a HRT anunciou que Vitantonio Liuzzi abriria caminho para o piloto indiano, permitindo assim que Ricciardo corresse na Índia, tendo em vista que a Red Bull pagou a equipe espanhola para tal.

No Grande Prêmio de Abu Dhabi, Ricciardo abandonou com problemas mecânicos após largar em 10º lugar no grid de largada e na corrida final o Grande Prêmio do Brasil, Daniel terminou em 20º após largar em 22º.

Das 19 etapas Daniel disputou 11, não pontuou em nenhum, teve dois abandonos e terminou o ano em 27º no campeonato.

Toro Rosso

Em 14 de dezembro de 2011, foi confirmado que Ricciardo pilotaria para a Scuderia Toro Rosso para a temporada de 2012, tendo como companheiro de equipe o francês Jean-Éric Vergne.

No GP da Austrália , dia 18 de março, Daniel conseguiu ultrapassar seu companheiro de equipe Vergne no final da última volta para voltar para casa com um nono lugar, marcando seus dois primeiros pontos no campeonato. Em condições de chuva na Malásia, ele terminou em 12º, depois de ter sido primeiro a mudar para pneus slick. No Bahrain ele se classificou em sexto lugar, mas caiu para trás durante a corrida e terminou em 15º. No GP de Mônaco ele teve seu único abandono na temporada.

Em 31 de outubro de 2012, Toro Rosso anunciou a renovação do contrato de Ricciardo para a temporada 2013.

Red Bull

Ricciardo substituiu Mark Webber na Infiniti Red Bull Racing no início da temporada de Fórmula 1 de 2014, em parceria Sebastian Vettel, campeão mundial quatro vezes.

2014

Na primeira corrida da temporada, o GP da Austrália, Ricciardo qualificou-se em segundo lugar, atrás de Lewis Hamilton e completou a prova em segundo lugar, apesar da pressão do estreante Kevin Magnussen nas últimas voltas. Ricciardo foi posteriormente desclassificado após uma inspeção técnica constatar irregularidades no fluxo de combustível de sua Red Bull. Caso não tivesse sido desclassificado, teria sido a primeira vez que um australiano subiu ao pódio no Grande Prêmio da Austrália desde que a prova passou a fazer parte do campeonato. A Infiniti Red Bull Racing entrou com um recurso que foi negado, a decisão da FIA foi respeitada.

Ricciardo não conseguiu completar o Grande Prêmio da Malásia, mas marcou seus primeiros pontos no campeonato na corrida seguinte, o Grande Prêmio do Bahrein, onde terminou em 4º após largar em 13º.

Após vencer o Grande Prêmio do Canadá, Daniel tornou-se o quarto australiano a vencer uma corrida de Fórmula 1, juntando-se a Jack Brabham, Alan Jones e Mark Webber. Essa vitória quebrou o dominio da Mercedes que desde o início da temporada havia vencido todas as corridas. Ricciardo impressionou muita gente batendo Vettel durante toda a primeira metade da temporada de 2014, e depois de uma batalha limpa e apertada entre Ricciardo e Fernando Alonso no Grande Prêmio da Alemanha, Alonso descreveu Ricciardo como "inacreditável" e "muito, muito inteligente, muito respeitoso".

Ricciardo venceu o Grande Prêmio da Hungria, em 27 de Julho, à frente de Alonso e Hamilton. Ele ficou em terceiro lugar atrás de Alonso e Hamilton, com menos de quatro voltas para o final ela alcançou a Mercedes de Hamilton e passou pelo lado de fora da curva 2 de Hungaroring.Ele, então, facilmente alcançou e passou a Ferrari de Alonso que estava muito pouca aderência em seus pneus esquerdos. Nas duas últimas voltas, Ricciardo abriu vantagem para ganhar a corrida por 5.2 segundos de diferença. Seu companheiro de equipe Vettel sobreviveu a uma rodada na reta principal no final da corrida e terminou em sétimo. Daniel tornou-se o segundo australiano a vencer um Grande Prêmio da Hungria, antes dele apenas Mark Webber — também pela Red Bull — em 2010. Ricciardo venceu também a corrida seguinte, o Grande Prêmio da Bélgica, foi a terceira vitória de sua carreira.

A 4 de outubro de 2014, foi anunciado que Ricciardo seria parceiro de Daniil Kvyat na temporada de 2015, logo em seguida ao anúncio de que Vettel deixaria a Red Bull. Em sua primeira temporada pela Red Bull Racing, Daniel confirmou seu terceiro lugar no campeonato no Grande Prêmio do Brasil, mesmo tendo abandonado a corrida. Na última corrida do ano, o Grande Prêmio de Abu Dhabi, apesar de ter largado do pit lane ele terminou em quarto e assegurou a sua primeira volta mais rápida de sua carreira na Fórmula 1. Por sua performance em 2014, Ricciardo foi premiado com o Laureus World Sports Awards de Revelação do ano.

2015

Daniel iniciou 2015 com um sexto lugar na Austrália, após largar em sétimo. Na corrida seguinte terminou em 10º lugar. Para a corrida na China, classificou-se para largar em sétimo com o tempo de 1min37s540. Após uma largada ruim ele caiu para a 17ª posição, recuperou-se e terminou em décimo, entretanto Jenson Button foi punido e Daniel subiu para a nona colocação. No Grande Prêmio do Bahrein largou em sétimo e completou a prova em sexto, mais de 20 segundos a frente do sétimo colocado, o francês Romain Grosjean.

Seu primeiro abandono da temporada veio no Grande Prêmio da Grã-Bretanha. Por conta de uma falha elétrica ele abandonou na volta 21 de uma corrida com 52. Na corrida seguinte, o Grande Prêmio da Hungria, Ricciardo conseguiu seu primeiro pódio da temporada, mesmo tendo se envolvido em um incidente com Nico Rosberg nas voltas finais da corrida. Daniel saiu com a asa dianteira danificada, Rosberg com um pneu furado. Apesar disso Ricciardo terminou em terceiro, atrás de Vettel e de seu companheiro de equipe Kvyat. A próxima corrida seria o Grande Prêmio da Bélgica, onde Daniel sofreu novamente com problemas em seu carro e teve de abandonar. Duas corridas depois, no Grande Prêmio de Singapura, Ricciardo conseguiu seu segundo e último pódio daquela temporada, chegando na segunda posição.

No Grande Prêmio da Rússia realizado no Circuito de Sóchi Ricciardo teve seu terceiro e último abandono da temporada causado por problemas na suspensão. Apesar de deixar a prova ele classificou-se pois completou mais de 90% do total de voltas. No Grande Prêmio do México largou em 5º e terminou na mesma posição. Após 19 corridas, três abandonos, dois pódios e uma temporada cheia de frustações, Ricciardo terminou o ano em oitavo lugar no campeonato com apenas 92 pontos.

2016

Ricciardo iniciou 2016 com um quarto lugar no Grande Prêmio da Austrália marcando também a volta mais rápida da corrida. Na corrida seguinte, mais um quarto lugar. Daniel conseguiu terminar a corrida mesmo após ter colidido com o carro de Valtteri Bottas o que fez necessário trocar a asa dianteira nos boxes. Na China, Ricciardo largou em segundo e, logo na largada, ultrapassou o pole position Nico Rosberg, entretanto recebeu o troco na terceira volta. Completou a prova em quarto lugar novamente.

O Grande Prêmio de Mônaco tinha tudo pra ser a primeira vitória de Daniel na temporada, porém durante a prova quando o piloto veio para seu pit stop na 32ª volta a equipe não estava pronta para recebê-lo e ele perdeu muito tempo dentro dos boxes. Ricciardo retornou à pista na segunda colocação atrás do inglês Lewis Hamilton e perdeu a vitória completando a prova em segundo. No pódio, Daniel não conseguiu esconder a frustração e declarou em entrevista: “Não fui eu que decidi ir aos boxes. Eles me chamaram, então tinham que estar prontos. Isso machuca”. A equipe Red Bull Racing pediu desculpas pelo ocorrido. Ricciardo já tinha acusado a equipe de tê-lo prejudicado na corrida anterior, o Grande Prêmio da Espanha, onde ele terminou em quarto lugar, mas afirmou que poderia ter vencido caso a estratégia fosse diferente.

No Grande Prêmio da Hungria Ricciardo voltaria a subir no pódio, dessa vez na terceira posição. De acordo com Christian Horner, chefe da Red Bull, esse resultado “foi importante para recuperar a confiança de Daniel”. Esse foi seu terceito pódio consecutivo em Hungaroring. Logo na corrida seguinte, outro pódio. Ricciardo largou em terceiro e passou Rosberg na largada, entretanto perdeu posição para seu companheiro de equipe Max Verstappen logo em seguida. Ele se recuperou na segunda metade da prova imprimindo um ritmo forte, ultrapassou seu companheiro e cravou a volta mais rápida da corrida. Daniel foi eleito Piloto do Dia por voto popular. No Grande Prêmio da Bélgica Ricciardo obteve seu terceiro pódio consecutivo chegando em segundo lugar após uma corrida com muitos toques, carro de segurança e bandeira vermelha. O australiano largou em quinto no grid, mas graças a uma colisão entre seu companheiro de equipe e as duas Ferraris na curva La Source, Ricciardo rapidamente subiu na classificação. Por algumas voltas chegou a ameaçar o líder Rosberg, porém o alemão abriu vantagem e venceu a prova.

Ricciardo voltou a vencer no Grande Prêmio da Malásia, quando o Hamilton que estava liderando por uma vantagem suficiente para parar nos boxes e se manter em primeiro, à frente da dupla da RBR. Mas o inglês foi surpreendido quando seu motor, começou a pegar fogo.

Renault

Em 3 de agosto de 2018 a equipe Renault anunciou a contratação de Ricciardo por duas temporadas, a partir de 2019, tendo como companheiro de equipe Nico Hülkenberg. Daniel afirmou que "Foi, provavelmente, uma das decisões mais difíceis da minha carreira até agora. Mas eu achei que era hora de tentar algo diferente, um novo desafio" e também que "(...) sei que sempre que a Renault esteve no esporte, de algum jeito, ela ganhou. Espero conseguir ajudá-los nessa jornada e contribuir também dentro e fora das pistas".

Publicidade: