Perfil do Piloto

Nico Rosberg

Williams e Mercedes

País :Alemanha
Cidade :Wiesbaden
Idade :27/06/85 (33 anos)
Altura :1,78 m
  • 1 (2016)Campeonatos
  • 206 (206 largadas)Corridas
  • 23Vitórias
  • 30Pole Positions
  • 20Voltas Rápidas
  • 57Pódios
  • 16 Outubro 2018Atualizado

Nico_Rosberg

Fórmula 1

Sua estreia na Fórmula 1 veio na temporada seguinte, pela Williams. Logo na primeira corrida, Rosberg terminou em sétimo e ainda marcou a volta mais rápida.

A Williams, entretanto, não tinha mais a performance de antes, e Rosberg, sofreu bastante no seu ano de estreia. Marcou somente quatro pontos, envolveu-se em vários acidentes e perdeu boa parte de sua reputação. Iniciou a temporada de 2007 em baixa, mas se recuperou com louvor, fechando o ano como um dos principais destaques. Segundo o chefe Frank Williams, Rosberg tem a "maior curva de evolução" de todos os pilotos da Fórmula 1.

No Grande Prêmio da Austrália de 2008, conseguiu seu primeiro pódio na categoria, com um terceiro lugar. O segundo pódio veio no Grande Prêmio de Singapura de 2008, primeira corrida realizada à noite, ficando em segundo lugar, atrás do piloto espanhol Fernando Alonso.

Em 23 de novembro de 2009 a equipe Mercedes anunciou a contratação do piloto alemão para a temporada de 2010. Com um desempenho regular, conseguiu pontuar em 15 das 19 corridas disputadas, conquistando três pódios e terminando a temporada em sétimo lugar no campeonato de pilotos.

2012

No dia 14 de abril de 2012, durante os treinos classificatórios para o o Grande Prêmio da China, Rosberg conquistou a primeira pole position da carreira. Com uma boa largada e um rendimento constante, Rosberg conseguiu se manter em primeiro durante quase toda a prova, alcançando sua primeira vitória na categoria.

Na etapa seguinte, durante treinos livres do Grande Prémio do Bahrain, Rosberg chegou a marcar o melhor tempo durante a terceira sessão. O mesmo desempenho, no entanto, não foi alcançado no treino classificatório e o piloto ficou com o quinto lugar no grid de largada. O piloto perdeu muitas posições durante a largada, mas conseguiu se recuperar durante a corrida, alcançando a linha de chegada na mesma posição em que largou.

2013

Rosberg não começou bem a temporada, abandonando o Grande Prêmio da Austrália, primeira prova do campeonato, por causa de problemas elétricos no carro.

No treino classificatório para o Grande Prêmio do Bahrein conseguiu a pole position, mas durante a prova, não conseguir manter o rendimento do carro, terminando a corrida apenas em nono.

No Grande Prêmio de Mônaco, após ter largado em primeiro e liderado toda a prova, Rosberg conquistou sua segunda vitória na categoria.

Em Silverstone largou em segundo, mas contou com a sorte de o carro de Hamilton ter o seu pneu furado e o carro de Vettel com problemas aerodinâmicos. Assim lhe foi possível faturar a vitória que lhe caiu "dos céus".

2014

Com o domínio do Mercedes F1 W05, Nico e seu companheiro de equipe, Lewis Hamilton, foram os postulantes ao título mundial. Iniciou a primeira metade do campeonato em vantagem em relação a ele. Entretanto, a partir da prova de Singapura, perdeu a liderança do campeonato. Em 16 de julho a equipe anunciou a extensão de seu contrato.

Na última etapa, com pontuação dobrada em Abu Dhabi, estava a 17 pontos atrás de Lewis. Apesar de partir na pole position, Rosberg enfrentou uma falha no ERS - sistema de recuperação de energia, que o fez perder posições e terminar em 14º lugar.

2015

A equipe Mercedes seguiu dominante, mas foi sobrepujado desde o início da temporada por Hamilton, que se tornou campeão com três provas de antecedência. Chegou a perder a segunda posição no campeonato para Sebastian Vettel após o abandono no Grande Prêmio da Rússia, porém encerrou a temporada como vice-campeão obtendo consecutivamente seis poles e três vitórias.

2016

Rosberg venceu as quatro primeiras corridas da temporada 2016 - Austrália, Bahrein, China e Rússia. Somando-se as três últimas três provas de 2015, alcançou sete vitórias consecutivas e igualando as marcas de Michael Schumacher e Alberto Ascari.

Antes da etapa da Hungria, a equipe renovou seu vínculo com o piloto até o fim de 2018.

Mais uma vez disputando o título com o companheiro de equipe, desta vez sagrou-se campeão mundial ao chegar em segundo lugar na última corrida em Abu Dhabi.