Governo nega exceções à F1 e GP da Grã-Bretanha estuda alternativas para não ser cancelado

A Fórmula 1 foi formalmente informada de que não será concedida isenção para as pessoas envolvidas no esporte aos requisitos do governo britânico para que todos os viajantes que chegarem ao país sejam colocados em quarentena.

A notícia significa que o GP da Grã-Bretanha quase certamente não poderá seguir em frente na data de julho que estava visando originalmente.

Durante reunião realizada em Downing Street nesta sexta-feira à tarde, o ministro do Interior britânico Priti Patel confirmou que todas as pessoas que chegarem ao Reino Unido a partir de 8 de junho terão que se isolar por 14 dias.

Uma pequena lista de isenções foi concedida, mas elas não incluem alguns esportes, como a F1. O governo disse que haveria isenções limitadas, que incluem trabalhadores do transporte rodoviário de mercadorias, médicos que estão ajudando na luta contra o coronavírus e trabalhadores agrícolas que se isolarão na propriedade onde estão trabalhando.

No início desta semana, um porta-voz da F1 disse que o plano de quarentena tornaria impossível o GP da Grã-Bretanha para todas as equipes e poderia ter implicações mais amplas para a indústria.

“Se todo esporte de elite quiser voltar à TV, é preciso de isenções”, disse o porta-voz. “Uma quarentena de 14 dias tornaria impossível o GP da Grã-Bretanha deste ano. Além disso, tem um grande impacto em literalmente dezenas de milhares de empregos vinculados à F1 e às cadeias de suprimentos.”

O esquema de quarentena será revisado a cada três semanas, o que significa que pode não estar em vigor no final de julho, quando a F1 espera correr em Silverstone. A primeira data de revisão dos planos de quarentena será em 29 de junho, que ainda é quase um mês antes da data planejada originalmente para o GP britânico, de 26 de julho.

No entanto, com a F1 e Silverstone precisando de tempo para preparar o local para fins de semana consecutivos, seria muito arriscado continuar com os planos agora, sem a garantia de que o evento poderá ir adiante.

O chefe de Silverstone, Stuart Pringle, disse à Sky Sports nesta sexta-feira, no entanto, que continuava otimista quanto à posição do governo e que o GP da Grã-Bretanha poderia seguir em algum momento.

“Estou muito certo que a importância da indústria é entendida pelo governo”, afirmou. “Continuo muito otimista de que eles encontrarão um caminho. Estou muito consciente de que é extremamente complicado redigir essas coisas e cumprir prazos sempre em movimento, não é uma tarefa que eu gostaria de ter.”

“Por isso, continuo otimista de que uma solução sensata e pragmática, que coloca o ônus no esporte com toda a razão de encontrar a solução certa, possa ser encontrada.”

Conforme relatado, a F1 se negava a considerar que não poderia continuar com o GP da Grã-Bretanha e agora está avaliando outras opções, que podem incluir corridas em Hockenheim ou Hungria, em vez de Silverstone.

No entanto, entende-se que os chefes da F1 continuarão tentando pressionar o governo a buscar uma isenção.

As restrições de quarentena também podem forçar uma remodelação mais ampla dos planos de calendário da F1 para 2020, com as sete equipes britânicas sofrendo dores de cabeça sobre o que fazer com o pessoal em viagem e quando poderiam voltar para casa.

A ideia que está sendo analisada é passar por três ou quatro finais de semana seguidos em outros países antes que as equipes possam retornar ao Reino Unido para as duas semanas de quarentena. Uma vez concluído, eles poderiam viajar novamente para a próxima corrida.

Fonte Motorsport

Patrocinador:

Deixe uma Resposta