GP da Holanda: Como a F1 transformou a ideia da curva inclinada de Zandvoort em realidade

Uma das grandes coisas que muitos fãs da Fórmula 1 estão ansiosos para ver em 2020 são os carros rodando com DRS aberto na última curva de Zandvoort

A reforma de Zandvoort, local do GP da Holanda, para elevá-lo aos padrões modernos e pelo menos permitir uma chance de ultrapassagem, incluiu a reformulação de 18 graus de inclinação do que será conhecida como a curva Arie Luyendyk.

A decisão de prosseguir com o plano, que visa permitir que os carros passem pela curva com o DRS totalmente aberto, para que haja uma disputa suficiente para se tentar fazer uma ultrapassagem na curva 1, está longe de ser convencional.

No entanto, o que inicialmente parecia uma ideia maluca, foi ajudada a se tornar realidade por um grupo de engenheiros que trabalhavam diretamente para a F1, que rodavam simulações em computador para provar que a sugestão inicial dada por Charlie Whiting poderia realmente funcionar.

Craig Wilson, chefe de desempenho de veículos da F1, disse que quando o projeto de Zandvoort começou, não parecia haver uma solução óbvia sobre como tornar a pista com oportunidades de ultrapassagens.

“Quando vimos pela primeira vez, dissemos: ‘OK, o traçado existente será um desafio para ultrapassagens”, disse o ex-engenheiro da Mercedes e Williams.

“As retas são muito curtas, mas o circuito atual é muito confinado porque é cercado por um parque nacional. Todo redor é realmente protegido, então não podemos apenas estender a reta.”

“Passamos por vários diálogos, pensando em como alterar as últimas curvas para estender efetivamente a reta ou obter mais tempo com aceleração total. E provavelmente passamos por cerca de 14 ou 15 sugestões diferentes. Eu não consegui uma para trabalhar satisfatoriamente.”

Enquanto a equipe do circuito de F1 continuava pensando na melhor forma de fazer isso, a sugestão inicial de Whiting, de ter a última curva inclinada, foi mencionada a Wilson pelos chefes de Zandvoort.

“Uma pergunta voltou à minha cabeça: ‘poderíamos construir uma curva inclinada’?”, acrescentou Wilson. “Pensei sobre isso, e era: tudo bem, deixe comigo, deixe-me descobrir qual nível de inclinação seria necessário.”

“Passamos por isso, usamos nossa simulação e depois voltamos e dissemos ‘tudo bem, você precisaria de pelo menos esse nível de inclinação para poder fazer isso. Eu avaliei com dois métodos diferentes, em termos de estabilidade carro e perda aerodinâmica, e parece que pode funcionar.”

“Então foi o caso de tudo bem, podemos fazer isso fisicamente?’”

“Os caras de Zandvoort saíram, conversaram com algumas pessoas e voltaram e disseram: ‘Sim, nós podemos fazer isso e estaríamos muito interessados’.”

“Então tivemos conversas com a FIA para dizer ‘olha, é isso que estamos pensando, você está bem com isso?’ Eles disseram que iam analisar os números e ver o que mais está envolvido.”

“Como processo, estávamos reunindo todas as pessoas certas e pudemos realmente encontrar uma solução, e uma solução bastante única para essa situação.”

A solução de Zandvoort é um exemplo de todo o trabalho que Wilson e a F1 estão fazendo para ajudar a projetar melhores pistas para o futuro, e ele diz que sem o trabalho de simulação, o ambicioso projeto provavelmente não seria capaz de se tornar realidade.

“Seria muito difícil para nós pensar no que seria possível fazer Zandvoort funcionar, se não tivéssemos feito esse trabalho e ajudássemos a direcionar algumas das mudanças”, explicou Wilson.

“Apesar do trabalho em muitos outros conceitos, não conseguimos trabalhar com mais nada, mas isso funcionou e foi bastante agradável.”

Mas enquanto Wilson está encantado com a maneira como o projeto foi transferido de uma ideia para a realidade, ele entende perfeitamente que mesmo com carros capazes de passar pela curva com o DRS aberto, ultrapassar ainda não será fácil.”

“Ainda deve ser uma pista muito difícil de ultrapassar, mas estou confiante de que essas mudanças tornam mais fácil do que seria”, disse ele.

A FIA ainda não confirmou onde o ponto de ativação do DRS estará antes da curva inclinada, com a possibilidade de haver uma segunda zona.

Fonte Motorsport

Patrocinador:

Deixe uma Resposta