Pilotos campeões: conheça a trajetória de Denny Hulme

Denis Clive Hulme, mais conhecido como Denny Hulme, foi um piloto neozelandês, nascido em Nelson, no dia 18 de junho de 1936 e falecido em Bathurst, na Austrália, em 04 de outubro de 1992.

Patrocinador:

Denny Hulme é o primeiro, e até hoje o único campeão nascido na Nova Zelândia. Foi campeão em 1967 superando o seu patrão e companheiro Jack Brabham em seu último ano na equipe.

Em sua carreira, obteve 8 vitórias e 33 pódios. Também terminou em terceiro na classificação geral em 1968 e 1972, já pela equipe McLaren.

Hulme mostrou versatilidade ao dominar a Canadian-American Challenge Cup (Can-Am) no grupo 7, de carros esportivos. Como membro da equipe McLaren, que ganhou cinco títulos consecutivos entre 1967 e 1971, ganhou o título individual de pilotos duas vezes e vice-campeão em outras quatro ocasiões.

Após sua passagem pela Brabham, Hulme correu pela McLaren em várias categorias – Fórmula 1, Can-Am e nas 500 Milhas de Indianápolis. Hulme se aposentou da Fórmula 1 no final da temporada de 1974, mas continuou a correr na Austrália.

Hulme foi apelidado de “The Bear”, por causa de sua “natureza rude” e “características robustas”, no entanto, ele também era “sensível (…) incapaz de expressar seus sentimentos, exceto em um carro de corrida”. Durante o início de sua carreira, Denny preferiu correr de pés descalços, acreditando que isso lhe dava uma sensação melhor do acelerador. Isso mudou em 1960, quando ele começou a competir nos campeonatos europeus mais regulamentados.

Durante sua carreira, Hulme dirigiu os carros mais poderosos de sua época. Ele correu em corridas de F1, F2, Indycars, saloon / touring, CanAm e endurance, todas durante a mesma temporada. Depois de se aposentar da F1, ele até dirigiu em corridas de caminhão.

Vida antes da Fórmula 1

Hulme nasceu em uma fazenda de tabaco pertencente a seus pais em Motueka, na Ilha do Sul da Nova Zelândia. Seu pai, Clive Hulme foi premiado com uma Victoria Cross, como um franco-atirador, enquanto lutava na Batalha de Creta, em 1941.

Enquanto crescia na fazenda de sua família em Pongakawa (perto de Te Puke), Hulme aprendeu a dirigir um caminhão sentado no colo de seu pai e, aos seis anos de idade, dirigia sozinho. Ele saiu da escola e foi trabalhar em uma oficina. Ele economizou dinheiro suficiente para comprar um TF MG, inserindo-o prontamente em eventos de escalada. Depois disso, o pai dele trouxe um MGA para ele. Depois de um progresso impressionante, ele comprou um Cooper-Climax F2, sendo posteriormente escolhido para o programa Nova Zelândia Driver para a Europa, junto com seu colega Kiwi, George Lawton. O jovem neozelandês começou a competir na Fórmula Júnior e na Fórmula 2 em toda a Europa, em um Cooper-BMC e Cooper-Ford, respectivamente. Hulme venceu o Grande Prêmio de Pescara de 1960 pela Fórmula Juniors, mas os jornais da Nova Zelândia não mencionaram isso, pois escreveram apenas sobre Bruce McLaren. No entanto, o ano de 1960 terminou em desastre, quando Lawton se acidentou durante uma corrida em Roskilde (Dinamarca), morrendo nos braços de Hulme.

Como a imprensa neozelandesa estava ignorando Hulme, ele comprou um Cooper de 2½ litros de Reg Parnell e o inscreveu no Campeonato da Nova Zelândia Gold Star de 1961. Ele ganhou o título imediatamente. Apareceu em Le Mans pela equipe Abarth, ganhando uma classe na classe S850 (com a parceria do Kiwi Angus Hyslop), antes de Ken Tyrrell convidar o neozelandês simpático (mas às vezes rude) para correr em sua equipe de Fórmula Júnior e Fórmula 2 , em 1962, quando Tony Maggs estava indisponível devido aos seus compromissos com a Fórmula 1.

Uma vez lá, baseando-se em Londres, trabalhou como mecânico na garagem de Jack Brabham, em Chessington, e começou a abrir caminho em seu caminho de corrida de automóveis. Foi Brabham que deu a ele oportunidades em seus carros esportivos Brabham e monolugares. Durante a temporada de 1963, ele ganhou sete International Formula Junior e depois de algumas performances impressionantes, foi seu antigo chefe, Jack Brabham, que deu a Hulme o aval e ele se juntou à equipe australiana da F2. Em 1964, a dupla começou a dominar o Campeonato naquele ano, resultando em um one-two final na série FFSA Trophées de France. A dupla também terminou um-dois na série de 1966. Durante este período na F2 entre 1964-1966, Hulme ganhou um total de três corridas na categoria, além de dois eventos não válidos para o campeonato (o 1964 Grote Prijs van Limborg e o 1965 Spring Trophy). Hulme foi recompensado com algumas corridas de Fórmula 1 fora do campeonato.

Longe dos monopostos, Hulme também corria por carros de turismo. Em condições terríveis, em 6 de julho de 1963, Hulme venceu sua primeira grande corrida de carros. A segunda Six-Hour patrocinado por um motor, uma rodada do Campeonato Europeu de Carros de Turismo, viu o favorito pré-corrida, um Ford Galaxie de 7 litros conduzido por Dan Gurney e Jack Brabham na lama e os Jaguares dominaram a corrida. Hulme venceria, em parceria com Roy Salvadori, depois que os vencedores na estrada foram desclassificados por irregularidades no motor.

Patrocinador:

Carreira na Fórmula 1

1965-1967 – Brabham

Hulme no GP da Alemanha de 1965

Depois de fazer inúmeras aparições em eventos não válidos para o campeonato para Brabham durante a temporada de 1964, como a equipe de Brabham assinou com Dan Gurney para correr ao lado de seu chefe. Hulme finalmente recebeu a ligação que estava esperando, fazendo sua estreia no Campeonato Mundial em 1965 no Mônaco. Mais tarde naquele ano, ele marcou seus primeiros pontos, pela quarta posição no assustador circuito de Clermont-Ferrand, na França.

A temporada de 1966 foi a primeira completa da Hulme na Fórmula 1. Agora, após a saída de Dan Gurney, ele era o número dois da equipe de Brabham, atrás do próprio Jack. Terminando em quarto lugar naquele ano (com Jack vencendo entre os pilotos e Brabham no campeonato de Construtores), os destaques vieram com um terceiro lugar em Reims na França, um segundo atrás de Brabham em Brands Hatch, e a volta mais rápida em Zandvoort, antes que os problemas de ignição acabassem com sua corrida. Enquanto seu chefe venceu o título mundial, Hulme chegou ao pódio quatro vezes durante a temporada, terminando em quarto lugar na classificação geral.

Denny Hulme nos treinos para o GP da Holanda de 1967

O campeonato de 1967 foi essencialmente um assunto interno dentro da equipe da Brabham Racing Organization durante a maior parte do ano, mas o novo Lotus 49 deu a Jim Clark e Graham Hill a oportunidade de reagir. Seus Brabham-Repcos não eram os carros mais rápidos, porém eram confiáveis ​​e consistentes, assim como Brabham e Hulme. Durante a temporada, Hulme levaria duas vitórias no campeonato, em Monte Carlo e no feroz Nürburgring (o Inferno Verde).

Embora Hulme tenha silenciado muitos críticos com a sua excelente vitória em Mônaco, a corrida foi marcada pelo terrível acidente que iria levar a vida de Lorenzo Bandini, que estava perseguindo Hulme no momento do acidente. Sua segunda vitória em Grandes Prêmios de 1967, foi na lendária Nordschleife de Nürburgring. Esta vitória provou sua versatilidade em qualquer tipo de pista. Outras seis visitas ao pódio deram a Hulme a vantagem de que precisava. Ele ganhou o campeonato por cinco pontos de Brabham, e mais cinco de Jim Clark.

1968–1974 – McLaren

Hulme em Watkins Glen, 1968

Hulme na Alemanha, em 1969

O ano de 1968 viu uma mudança para a equipe McLaren, de propriedade do colega Kiwi Bruce McLaren. Embora o ‘Bruce and Denny Show’ tenha dominado a série norte-americana Can-Am de 1968, a temporada na Fórmula 1 foi menos bem-sucedida. A corrida sul-africana, realizada no lendário circuito de Kyalami, mostrou-se difícil para a equipe. Apesar de ter que usar os antigos motores BRM V12 em um antigo chassi M5A, Hulme levou para casa um quinto título com méritos.

Pela etapa espanhola, em Jarama, o motor Cosworth DFV V8 foi instalado no novo chassis M7A e os desempenhos melhoraram. Após a vitória no Troféu Internacional BRDC, Hulme ficou em segundo lugar na Espanha, antes de faturar duas vitórias naquele ano em Monza e no Canadá, deixando-o com uma chance de ganhar a coroa do Campeonato contra Graham Hill e a jovem Jackie Stewart.

A etapa final, na Cidade do México, determinou o campeão naquele ano, Stewart, e Hulme sofreu uma falha de suspensão em sua McLaren.

A no de 1969 foi um desastre para Hulme: o chassi M7A revisado sofreu com confiabilidade e Hulme conseguiu apenas 20 pontos, alcançando uma vitória, na etapa final, o Grande Prêmio do México. Hulme terminou a temporada na sexta posição na classificação dos pilotos.

No ano de 1970 a sorte de Hulme não mudou. O chefe da equipe e amigo Bruce McLaren foi morto enquanto testava o CanAm McLaren M8D, que afetou Hulme. Outro problema ocorreu naquele ano, quando ele sofreu queimaduras nas mãos por conta de um incêndio de metanol durante os treinos para a Indy 500. Como resultado, ele perdeu o Grande Prêmio da Holanda em 1970. Implacável, ele achava que devia a Bruce e a equipe da McLaren continue correndo. Além de seu sofrimento emocional e graves queimaduras, ele ainda conseguiu um quarto lugar no campeonato com 27 pontos.

O ano de 1971 começou promissor. Em Kyalami, liderou de forma dominante – mas o sistema de suspensão o forçou a abandonar depois de apenas algumas voltas. A equipe da McLaren estava em desordem. A temporada foi pior do que a de 1970, já que Hulme nem chegou ao pódio, apesar de ter feito as voltas mais rápidas no Canadá e nos Estados Unidos naquele ano – mas os resultados foram difíceis de conquistar. Hulme terminou em nono na classificação de 1971.

A empresa de produtos de beleza, fragrâncias e produtos masculinos Yardley assumiu o patrocínio da equipe McLaren em 1972 e pagou dividendos para Hulme. Em parceria com o seu bom amigo Peter Revson, Hulme estava de volta à vitória na África do Sul e a alguns pódios, terminando o ano de 1972 em terceiro lugar, com 39 pontos. Enquanto isso, Hulme também venceu a corrida da Copa Ouro Internacional, prova extra-campeonato, em Oulton Park.

Surpreendentemente, Hulme marcou apenas uma pole em sua carreira na Fórmula 1, a bordo de um McLaren M23, em 1973 em Kyalami – ele parecia ter um bom relacionamento com o circuito sul-africano. No entanto, Hulme foi superado pelo amigo e companheiro de equipe Peter Revson em 1973, terminando logo abaixo do americano, em sexto, 12 pontos atrás.

Hulme venceu o Grande Prêmio da Suécia com sorte, apesar de também ter feito a volta mais rápida. A corrida parecia estar pronta para uma vitória em casa de Ronnie Peterson, com seu companheiro de equipe Lotus, Emerson Fittipaldi em segundo, quando os Lotus tiveram problemas. Fittipaldi temdo problemas de caixa de câmbio e, em seguida, Peterson com desgaste de pneu. Como Hulme decidiu correr com pneus mais duros, passou Peterson na penúltima volta para vencer. Hulme expressou tristeza por “ter tirado isso de Ronnie”.

Ele e Revson construíram uma forte amizade na F1 – eles também competiram juntos na Can-Am. Quando Revson deixou a McLaren no final de 1973 para se juntar a Shadow, Hulme teria ficado desapontado.

Em seu tempo na McLaren, Hulme venceu seis Grandes Prêmios, mas estava chegando ao final de sua carreira na F1, e seus impulsos competitivos estavam sendo enfraquecidos por uma apreensão crescente sobre os perigos das corridas. Depois do Grande Prêmio do Brasil, em que Hulme terminou em décimo segundo lugar, esses medos foram bem fundamentados. Quando os testes em Kyalami começaram, em março de 1974, Peter Revson sofreu uma falha na suspensão dianteira, batendo de frente para as barreiras. Hulme tentou em vão salvar a vida de seu amigo, mas não adiantou.

Carreira fora da Fórmula 1

24 horas de Le Mans de 1966

Nas 24 horas de Le Mans de 1966, a Shelby-American Inc. disputaram com 2 Ford GT40 MK II e estavam ambos na primeira volta, correndo em primeiro e segundo, com o carro Hulme fazendo parceria com Ken Miles na liderança. Após meia hora da largada, os Fords se juntaram em um plano pré-estabelecido para que Bruce McLaren e Miles cruzassem a linha, com os faróis acesos. Infelizmente, o dead-heat que Henry Ford II tinha planejado com tanta satisfação não saiu, já que os cronometristas decidiram que um dead-heat era tecnicamente impossível, já que Hulme/Miles se classificou mais rápido que McLaren/Amon e cobriu um distância da corrida mais curta. Portanto, quando os dois carros chegaram lado a lado no final, Bruce McLaren e Chris Amon foram classificados como os vencedores com Hulme e Ken Miles em segundo.

Can-Am (1966-1972)

Em 1966, enquanto pilotava para a equipe de Brabham na Fórmula 1, Hulme pilotou na temporada inaugural da série de corridas Can-Am do FIA Group 7, pilotando o mesmo Lola T70 que Sid Taylor pilotou com sucesso nas corridas do Grupo 7 do Reino Unido, mas sem sucesso nas corridas Can-Am. Em 1967 ele se juntou à equipe McLaren do compatriota Bruce McLaren, substituindo Chris Amon, que tinha ido para a Ferrari. Esta parceria se tornou tão bem sucedida que os americanos os chamavam de ‘Bruce and Denny Show’, tal era a sua dominação.

Na temporada de 1967, o ano de seu campeonato de F1, que venceu com a Brabham, Hulme terminou em segundo lugar, atrás do líder da equipe Bruce McLaren no campeonato Can-Am, conquistando três vitórias em seis corridas e ganhando 24 pontos no McLaren M6A. Hulme venceu a Can-Am em 1968, conquistando três vitórias na temporada de seis corridas, ganhando 35 pontos no McLaren M8A. O ano de 1969 viu a equipe da McLaren continuar a dominar; pilotando o McLaren M8B, eles venceram todas as corridas, com múltiplas dobradinhas e até um 1-2-3, quando Dan Gurney dirigiu o carro reserva. Hulme marcou cinco vitórias em onze corridas em 1969, ganhando 160 pontos e terminando em segundo lugar o campeonato.

A temporada de 1970 foi difícil para a equipe, que lamentou a perda do líder Bruce McLaren, que havia morrido durante o teste de pré-temporada do McLaren M8D “Batmóvel” no Goodwood Circuit. Em primeiro lugar com o piloto Dan Gurney, depois com o piloto Peter Gethin, Hulme liderou a equipe com seis vitórias em dez corridas, vencendo seu segundo Campeonato Can-Am, levando o M8D a 132 pontos – mais que o dobro do segundo colocado. Para a temporada de 1971, o companheiro de equipe de Hulme era seu bom amigo Peter Revson, que levou a coroa Can-Am naquele ano com Hulme em segundo (três vitórias em dez corridas), pilotando o McLaren M8F. Em sua temporada final, Hulme levou o McLaren M20 ao segundo lugar no campeonato de 1972 com 65 pontos, com duas vitórias nas nove corridas.

Indy 500

Hulme competiu nas 500 Milhas de Indianápolis em quatro ocasiões: 1967, 1968, 1969 e 1971. Seus melhores resultados foram em 1967 e 1968, ambas terminando em quarto lugar. Ele não competiu na corrida de 1970, devido às queimaduras de metanol nas mãos após um incêndio durante os testes.

Série Tasman

Hulme terminou em terceiro na Tasman Series de 1964 com uma vitória e três pódios. Mais tarde, ele competiu em 1967 e 1968, conquistando um pódio em cada ano.

Campeonato Britânico de Carros Esportivos (1965-1969)

Nos fins de semana fora da Fórmula 1, Hulme às vezes competia pela Sid Taylor Racing no British Sportscar Championship. Durante este tempo, ele ganhou um total de 12 corridas, a maioria em um Lola T70, incluindo três Troféus Turísticos RAC, um dos quais foi uma etapa do Campeonato Mundial de Carros Esportivos de 1965.

Aposentadoria

Depois de deixar a F1, Hulme liderou o GPDA (Grand Prix Drivers Association) por um breve período, mas com a sua natureza cavalheiresca ele não ocupou o cargo por muito tempo. Ele então se retirou para a Nova Zelândia, voltando para carros de turismo para competir ocasionalmente na corrida Benson & Hedges 500 no Pukekohe Park Raceway no final dos anos 70, primeiro na Chrysler Chargers e depois no Volkswagen Golf, em parceria com Stirling Moss para o formato de resistência de 500 quilômetros.

Hulme começou a correr regularmente novamente em 1982 com o piloto amador Ray Smith, construindo uma equipe com o Holden Commodore V8, capaz de ganhar a Série de Carros de Produção da Nova Zelândia para carros de turismo do Grupo A em 1983/84. Hulme também começou a competir na Austrália, competindo no time de Frank Gardner, o JPS Team BMW, que incluiu o segundo lugar na classe no Bathurst 1000 de 1984.

Hulme retornou à Europa em 1986, competindo no Campeonato Europeu de Carros de Turismo, na equipe de Tom Walkinshaw Racing, preparado por Rover Vitesse. Essa campanha culminou em uma vitória no RAC Tourist Trophy, a quarta vitória de Hulme no evento, 18 anos após sua terceira vitória. Depois disso, Hulme correu brevemente para a equipe Mercedes-Benz de Bob Jane, antes de se juntar a Larry Perkins em 1987, mudando-se com Perkins em 1988 para a recém-formada Holden Racing Team. Foi com a Holden que Hulme conquistou seu último pódio, quando terminou em segundo, na Copa da Austrália do Sul de 1988. Hulme mais tarde se juntaria à Benson & Hedges Racing, outra equipe dirigida por Frank Gardner em 1990. Enquanto isso, Hulme era um dos pilotos fundadores de um campeonato de caminhões na Nova Zelândia no início dos anos 90, dirigindo caminhões Scania, retornando à Europa para correr no Campeonato Europeu de Caminhões.

Morte

Um dos eventos favoritos de Hulme foi o Bathurst 1000, realizado na famosa pista Mount Panorama, na Austrália. Na corrida de 1992, ele dirigia um BMW M3 semi-elaborado com suporte para a Benson & Hedges Racing quando depois de reclamar no rádio de visão turva (originalmente pensado para ser por causa da chuva forte) Hulme sofreu um ataque cardíaco fulminante ao volante enquanto dirige ao longo da reta de alta velocidade Conrod Straight. Depois de desviar para a parede do lado esquerdo da pista a cerca de 140 mph (230 km / h), ele conseguiu trazer o carro para uma parada relativamente controlada deslizando contra o corrimão de segurança e parede de concreto no lado direito da pista. Quando os socorristas chegaram ao local, encontraram Hulme ainda preso. Ele foi levado de carro direto para o Hospital Bathurst, onde foi oficialmente declarado morto aos 56 anos de idade.

A morte de Hulme fez dele o sétimo ex-campeão da Fórmula 1 a morrer, e o primeiro a morrer de causas naturais (contra três acidentes de corrida, dois acidentes em vias públicas e um acidente envolvendo aeronaves).

Legado

Vários prêmios foram nomeados na memória de Hulme:

  • O troféu Denny Hulme Memorial premiado no Targa Tasmania;
  • A Copa do Motor da Nova Zelândia: Denny Hulme Memorial Trophy premiado durante a Toyota Racing Series.
Patrocinador:

Deixe uma Resposta