von Trips

Publicidade:

O primeiro vencedor do Grande Prêmio pela Alemanha desde 1939, Wolfgang von Trips foi morto no dia em que poderia ser coroado campeão mundial. Aquele acidente em Monza-61 (que foi a pior perda de vidas da História do Campeonato Mundial de Fórmula 1) roubou do esporte um cavalheiro muito popular.

Abençoado pela nobreza, boa aparência e talento natural, von Trips começou a pilotar motocicletas em 1951, sob o pseudônimo de “Alex Linther”. Ele logo mudou para carros esportivos e seu Porsche 356 terminou em 25º em sua estréia internacional na Mille Miglia de 1955. E então partilhou com André Simon e Karl Kling a Mercedes 300SLR de fábrica que terminaria em terceiro lugar no Tourist Trophy daquele ano.

A Mercedes retirou-se do esporte no final do ano, e von Trips foi para a Porsche em 1956. Vencedor da sua classe em Sebring, Nürburgring e nas 24Hrs de Le Mans, um telefonema da Ferrari se mostrou irresistível. Ele terminou em segundo no seu carro esportivo na equipe italiana em Kristianstad, mas não largou no GP da Itália depois de se acidentar durante os treinos quando a direção do carro falhou.

Fórmula 1 com a Ferrari

Sua estréia na Fórmula 1 no GP da Argentina de 1957 ao compartilhar com com Cesare Perdisa e Peter Collins o Lancia-Ferrari D50 que foi sexto colocado. Ele combina as duas principais disciplinas daquele ano – F1 e Mundial de Marcas com Carros-Esporte -, obtendoo segundo na Mille Miglia e o terceiro no Grande Prêmio da Itália.

O alemão, que tinha uma reputação de ser propenso a acidentes no início de sua carreira, era popular entre seus pares. Foi Mike Hawthorn quem o chamou de “Taffy” e o apelido ficou. Em 1958, campeão Europeu de Hillclimb com um Porsche, ele quebrou a perna depois de bater em Harry Schell na Lesmo logo na primeira volta do GP da Itália daquele ano.

Após um retorno de curto prazo para a Porsche em 1959, Trips voltou à Ferrari em 1960. Era uma época de reconstrução para a Scuderia e enfrentou uma escassez de pilotos de primeira linha com Hawthorn e Peter Collins mortos. Tanto Trips quanto Phil Hill passaram o ano de 1960 preparando-se para as novas regras da F1 de 1500cc da temporada seguinte, com as vitórias alemãs na Fórmula 2 em Syracuse e Solitude, um bom vislumbre do futuro.

Desafiando pelo Título

Com a Lotus de Rob Walker pilotada por Moss vencendo de forma surpreendente em Monaco, o decorrer da temporada dia deixando claro que a Ferrari Dino 156 era a favorita. Trips liderou todo a corrida em Zandvoort e venceu o GP britânico no asfalto molhado de Aintree. Moss novamente perturbou a tranquilidade ferrarista na Alemanha, mas o segundo lugar do herói local colocou o título ao seu alcance. No entanto, seguiu-se Monza e aquela grande tragédia.

De Trips só precisava terminar em terceiro no GP de Itália de 1961 para conquistar o campeonato mundial e ele se classificou para na pole position. Mas ele largou mal e era quinta na segunda abordagem para a Curva Parabólica. Duelando com a Lotus de Jim Clark, os dois carros se tocaram durante a frenagem e sua Ferrari vermelha foi aos trambolhões para a multidão. O corpo de Trips foi brutalmente jogado na pista e 14 espectadores foram mortos na sequencia. Foi a pior perda de vidas em Monza desde 1928 e a maior na história do Campeonato Mundial de F1.

Publicidade:

Deixe uma Resposta