Pilotos campeões: conheça a trajetória de Mike Hawthorn

John Michael Hawthorn, mais conhecido como Mike Hawthorn, foi um piloto inglês, nascido em Mexborough, no dia 10 de abril de 1929 e falecido em Farnham, na Inglaterra, em 22 de janeiro de 1959.

Patrocinador:

Rivalo Apostas Esportivas

Hawthorn foi o primeiro campeão inglês da categoria, pela Ferrari, em 1958. Logo depois do seu título, anunciou que estava se aposentando devido a uma grave doença renal e ter ficado profundamente abalado com a morte de seu companheiro de equipe e amigo Peter Collins, durante o GP da Alemanha daquele ano.

Hawthorn também venceu as 24 Horas de Le Mans de 1955, com um Jaguar, mas foi assombrado por seu envolvimento no acidente desastroso, em que tentou desviar do Austin-Healey de Lance Macklin e acabou colidindo na Mercedes de Pierre Levagh, resultando na morte do piloto francês da Mercedes, e mais 84 espectadores. Morreu em um acidente de trânsito três meses depois de se aposentar.

Seu pai possuía a Tourist Trophy Garage, em Farnham, franqueada para fornecer e atender várias marcas de alto desempenho, incluindo Jaguar e Ferrari. Seu pai correu em motocicletas e apoiou a carreira de seu filho. Quando ele morreu em um acidente, em 1954, Mike Hawthorn herdou o negócio.

Mike Hawthorn nunca se casou, mas teve um filho, Arnaud Michael Delaunay, com uma jovem que conheceu em Reims depois de vencer o Grande Prêmio da França em 1953. Ele estava noivo no momento de sua morte com a modelo Jean Howarth, que mais tarde se casou com outro piloto, Innes Ireland.

Carreira

Mike Hawthorn fez sua estreia em competições em 2 de setembro de 1950, em seu Riley Ulster Imp 1934, KV 9475, ganhando nas 1100c.c. Classe de carro esportivo no Brighton Speed ​​Trials. Em 1951, dirigindo um T.T. Riley de 1 ½ litro, ele entrou no Motor Sport Brooklands Memorial Trophy, uma competição de temporada disputada em Goodwood, vencendo por um ponto. Ele também ganhou o Ulster Trophy Handicap em Dundrod e o Troféu Leinster em Wicklow naquele ano.

Fórmula 1

Temporada de 1952

Em 1952, Hawthorn mudou para monopostos e durante essa temporada venceu sua primeira corrida em um carro de Fórmula 2 Cooper-Bristol T20 em Goodwood. Mais sucessos se seguiram, o que chamou a atenção de Enzo Ferrari, que lhe ofereceu um lugar na equipe. Fez sua estreia na Fórmula 1 no GP da Bélgica de 1952, no lendário circuito de Spa-Francorchamps, terminando em quarto lugar. Até o final da temporada, ele já garantiu seu primeiro pódio, com um terceiro lugar no Grande Prêmio da Inglaterra, sua terceira corrida na Fórmula 1 e mais um quarto lugar na Holanda, todos a bordo de um Cooper.

Temporada de 1953

Na Scuderia Ferrari para a temporada de 1953, Hawthorn imediatamente mostrou seu valor com uma vitória no Grande Prêmio da França, em Reims, superando Juan Manuel Fangio no que foi chamado de “a corrida do século”, com os quatro primeiros pilotos terminando dentro de cinco segundos um do outro após 60 voltas. Este e outros dois pódios o ajudaram a terminar em quarto no campeonato. Ele também ganhou o Troféu Internacional do BRDC e o Troféu Ulster, bem como as 24 Horas de Spa Francorchamps com o companheiro de equipe da Ferrari, Giuseppe Farina.

Temporada de 1954

O ano de 1954 foi marcado por ter sofrido graves queimaduras num acidente durante o Grande Prêmio de Siracusa, prova extra-campeonato. Terminou o ano com três segundos e venceu a etapa final, o GP da Espanha, ficando em terceiro no Campeonato de Pilotos. Após a morte de seu pai, Hawthorn deixou a Ferrari para correr com a equipe Vanwall, de Tony Vandervell, já que precisava passar mais tempo na garagem da família que herdara, mas depois de duas corridas voltou à Ferrari.

Temporada de 1955

24 horas de Le Mans

Em janeiro de 1955, Hawthorn se juntou à equipe de corridas da Jaguar, substituindo Stirling Moss, que havia partido para a Mercedes. Venceu as 24 Horas de Le Mans, onde estabeleceu um recorde de volta de 122.388 mph e ganhando um duelo de três horas com Fangio nos estágios iniciais. No entanto, a corrida foi marcada pelo pior desastre na história do automobilismo, um acidente que matou 84 espectadores e o piloto da Mercedes, Pierre Levegh. Depois de ultrapassar o Austin-Healey de Lance Macklin, Hawthorn freou de repente na frente dele ao notar uma ordem de entrar no pit para reabastecer, fazendo com que Macklin desviasse para o caminho do Mercedes de Levegh. Depois de colidir com o Austin-Healey, a Mercedes saltou o aterro de terra que separava a área do espectador da pista, saltou através dos compartimentos do espectador e depois bateu no parapeito de uma escada de concreto. O impacto quebrou a parte dianteira do carro, que então deu uma cambalhota, lançando destroços na área do espectador, antes de aterrissar no topo do barranco de terra. Os destroços, incluindo o capô, o motor e o eixo dianteiro, que se separavam do chassi, voaram entre a multidão.

Oito horas mais tarde, enquanto liderava a corrida 1,5 voltas à frente da equipe Jaguar, a equipe da Mercedes se retirou da corrida, ostensivamente como sinal de respeito por aqueles que haviam morrido no acidente. A equipe da Jaguar foi convidada a se juntar a eles, mas recusou. A imprensa francesa publicou fotografias de Hawthorn e Ivor Bueb comemorando sua vitória com o champanhe habitual, mas as tratou com desdém.

O inquérito oficial sobre o acidente determinou que o Hawthorn não foi responsável pelo acidente, e que foi apenas um incidente de corrida. A morte de tantos espectadores foi atribuída a padrões de segurança inadequados para o design das pistas. A pista permaneceu praticamente inalterada por 30 anos. O Grandstand e as áreas do poço foram demulidos e reconstruídos logo em seguida. O número de mortos levou à proibição do automobilismo na França, Espanha, Suíça, Alemanha e outras nações, até que as pistas pudessem ser levadas a um padrão de segurança mais alto.

A temporada de 1955 de Hawthorn na Fórmula 1 foi para esquecer com a equipe Vanwall, já que acabou o ano sem nenhum ponto no campeonato.

Temporada de 1956

Outra mudança de equipe para 1956 – desta vez para a BRM – foi um fracasso, e o único pódio de Hawthorn chegou foi na Argentina, onde a não inscrição de sua BRM permitiu que ele dirigisse um Maserati 250F. No entanto, quando apareceu, geralmente apenas em corridas britânicas, o novo 2.5 BRM foi muito rápido enquanto esteve na pista, e Hawthorn segurou Fangio, liderando as primeiras 25 voltas em Silverstone no GP da Inglaterra. Ele retirou o carro antes da metade da corrida devido à deterioração dos freios. Profundamente insatisfeito com a administração e a preparação do carro da equipe BRM, Hawthorn saiu da equipe neste momento. Hawthorn havia deixado a Ferrari porque dirigir para a equipe de carros esportivos britânicos da Jaguar era sua primeira prioridade. Ele foi o favorito para ganhar em Le Mans novamente, mas perdeu dez voltas nos pits no início da corrida, e enquanto o tipo D repetia as voltas mais rápidas, as regras de consumo de combustível significavam que ele só poderia terminar em sexto.

Temporada de 1957

Mike Hawthorn e Peter Collins com a Ferrari no GP da Alemanha de 1957

Correndo o tipo D na Itália, Hawthorn caiu e sofreu queimaduras muito graves, seu segundo acidente grave do ano, deixando-o desiludido com corridas. No entanto, ele acreditava que um retorno à Ferrari poderia lhe dar o campeonato na superior Lancia D50. No entanto, a versão modificada da Ferrari para o design de 1957 foi mais lenta do que Fangio e a conquista da Lancia Ferrari em 1956 por Collins. A versão de 1957, com os tanques pannier polares centrados removidos, ainda funcionava bem, mas não era a obra-prima que Jano desenhou: faltava velocidade em linha reta e não era competitivo em meados de 1957, claramente inferior aos novos Vanwalls.

Hawthorn voltou para a equipe da fábrica da Ferrari em 1957, e logo se tornou amigo de Peter Collins, também inglês e piloto da Ferrari. Durante as temporadas de 1957 e 1958, os dois ingleses se envolveram em uma feroz rivalidade com Luigi Musso, outro piloto da Ferrari, pelo prêmio em dinheiro.

Patrocinador:

Rivalo Apostas Esportivas

Temporada de 1958

Mike Hawthorn no GP da Argentina de 1958

Hawthorn venceu o Campeonato de Fórmula 1 de 1958, apesar de ter conquistado apenas uma vitória, contra quatro de Moss. Hawthorn venceu o Grande Prêmio da França de 1958, em Reims, no qual Musso foi fatalmente ferido em segundo lugar. Liderando facilmente no Grande Prêmio de Mônaco de 1958, seu motor 246 explodiu, enquanto em Monza ele estava um minuto à frente de Tony Brooks quando sua embreagem o forçou a diminuir para o segundo lugar. Hawthorn beneficiou grandemente do cavalheirismo de Moss, como demonstrado no Grande Prêmio de Portugal de 1958. Foi desqualificado por um solavanco ao descer o carro parado na direção oposta, a caminho de um segundo lugar. Moss intercedeu em nome de Hawthorn e a decisão foi finalmente revertida. Depois de um pit stop no meio daquela corrida, o Hawthorn acelerou para ganhar um ponto extra para a volta mais rápida. Moss não respondeu, possivelmente duvidando que o Hawthorn pudesse andar tão rápido com os freios a tambor danificados. Este ponto extra no campeonato mundial mais os segundos pontos contribuíram para que o Hawthorn vencesse o campeonato com apenas um ponto a mais que Moss. Na corrida final, o Grande Prêmio Marroquino de 1958, Hawthorn conduziu uma corrida tática conservadora com o objetivo de ficar à frente dos companheiros de equipe de Moss, a Vanwall. O carro de Brooks quebrou enquanto liderava, e Stuart Lewis-Evans, no terceiro carro da Vanwall, bateu depois de uma tentativa desesperada de alcançar e desafiar Hawthorn, em terceiro. Evans morreu mais tarde de queimaduras. Nas últimas voltas, o segundo colocado Phil Hill diminuiu e acenou para Hawthorn ganhar pontos suficientes para o campeonato, o primeiro a ser ganho por um piloto inglês.

Depois de ganhar o título, Hawthorn imediatamente anunciou sua aposentadoria da Fórmula 1.

Rivalidade com Luigi Musso

Fiamma Breschi, namorada de Luigi Musso na época de sua morte, revelou a natureza da rivalidade de Musso com Hawthorn e Collins em um documentário televisivo, A Vida Secreta de Enzo Ferrari, muitos anos após a morte de Hawthorn. Breschi lembrou que o antagonismo entre Musso e os dois motoristas ingleses encorajou os três a assumirem mais riscos: “Os ingleses (Hawthorn e Collins) tinham um acordo”, diz ela. “Qualquer um que ganhasse, eles dividiriam os ganhos igualmente. Foram os dois contra Luigi, que não fazia parte do acordo. A força vem em números, e eles estavam unidos contra ele. Esse antagonismo foi realmente favorável ao invés de prejudicial para a Ferrari. Quanto mais rápido os pilotos saíam, maior a probabilidade de uma Ferrari vencer.” Breschi relatou que Musso estava em dívida no momento de sua morte, e o dinheiro para ganhar o Grande Prêmio da França de 1958 (tradicionalmente o maior prêmio monetário da temporada), era muito importante para ele.

Depois de visitar Musso, que sofreu lesões sérias no hospital, Breschi voltou ao seu hotel, onde ela e o resto da equipe da Ferrari foram informados pelo gerente da equipe naquela tarde que Musso havia morrido. Dentro de trinta dias Collins também estava morto, e no mês de janeiro seguinte, Hawthorn. Breschi não conseguiu reprimir o sentimento de liberdade: “Eu odiei os dois”, ela disse, “primeiro porque eu estava ciente de certos fatos que não estavam certos, e também porque quando saí do hospital e voltei para o hotel eu os encontrei na praça do lado de fora do hotel, rindo e jogando futebol com uma lata de cerveja vazia. Então, quando eles morreram também, foi libertador para mim. Caso contrário, eu teria sentimentos desagradáveis ​​em relação a eles para sempre. Eu poderia encontrar uma sensação de paz.”

Morte

Jaguar 3.4 Litre XLK 4 que Hawthorn dirigia no seu acidente fatal

Em 22 de janeiro de 1959, apenas três meses depois de sua aposentadoria, Hawthorn morreu em um acidente de carro no desvio A3 Guildford enquanto dirigia seu abrangente Jaguar 3,4-litro de 1958 (agora conhecido como 3,4 Mk 1) VDU 881 para Londres. Embora as circunstâncias do acidente estejam bem documentadas, a causa precisa permanece desconhecida.

O acidente ocorreu em uma seção notoriamente perigosa da estrada, o cenário de 15 acidentes graves (dois fatais) nos dois anos anteriores. A estrada também estava molhada. Dirigindo em alta velocidade (uma testemunha estimou 80 m.p.h.), Hawthorn ultrapassou um Mercedes-Benz 300SL ‘gaivota’ carro de esporte dirigido por um conhecido, o gerente de time de corrida de motor Rob Walker. Ao entrar na curva do lado direito logo após passar o Mercedes, o Hawthorn cortou um poste de amarração ‘Esquerda’, dividindo as duas faixas de rodagem, fazendo com que ele perdesse o controle. Hawthorn olhou para um caminhão Bedford que se aproximava, antes de voltar para o outro lado da estrada na direção leste, em direção a uma árvore à beira da estrada. O impacto causou ferimentos fatais em Hawthorn e o empurrou para o banco traseiro.

Havia especulações inevitáveis ​​de que Hawthorn e Walker estavam competindo entre si, alimentados pela persistente recusa de Walker no inquérito do legista para estimar a velocidade de seu próprio carro na época. Em uma entrevista com o jornalista automobilístico Eoin Young e o escritor Eric Dymock em 1988, Walker admitiu que de fato estava competindo com Hawthorn, mas fora aconselhado por um policial que investigava o acidente a não fazer mais menção a ele para não se incriminar.

Possíveis causas do acidente incluem erro do motorista, um apagão ou falha mecânica, embora a perícia não tenha revelado nenhuma falha óbvia. Há evidências de que o Hawthorn sofreu recentemente apagões, talvez por causa de insuficiência renal. Em 1955, Hawthorn já havia perdido um rim devido a uma infecção e começara a sofrer problemas com o outro. Era esperado na época para viver apenas mais três anos.

Na investigação do legista, em 26 de janeiro, o júri retornou um veredicto de morte acidental.

Homenagens

Em Farnham, a cidade onde ele viveu até a sua morte, há uma rua chamada Mike Hawthorn Drive. Foi nesta cidade que Hawthorn administrou a Garagem do Troféu Turístico, que vendia Jaguares, Rileys, Fiats e Ferraris. Há uma colina e um canto em sua homenagem em Brands Hatch e uma esquina no circuito Croft-on-T em Croft-on-Tees, em Yorkshire, enquanto em Towcester, na propriedade de Shires, a 5 km do circuito de Silverstone, Hawthorn Drive leva o nome ele. Há uma estátua no Goodwood Circuit que comemora o Hawthorn como o primeiro campeão mundial de Fórmula 1 do Reino Unido.

Troféu Memorial Hawthorn

O Hawthorn Memorial Trophy foi concedido ao mais bem-sucedido britânico ou Commonwealth Formula 1 todos os anos desde 1959. Nigel Mansell e Lewis Hamilton ganharam o prêmio mais vezes, levando o troféu em sete ocasiões cada.

Patrocinador:

Rivalo Apostas Esportivas

Deixe uma Resposta